Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2012

Kingdom of Women, Dahna Abourahme, Líbano, 2010

 

 

Após a invasão israelita do Líbano, em 1982, Ein al-Hilweh – o maior campo de refugiados no Líbano -  é destruído e os seus homens aprisionados. The Kingdom of Women relata e documenta a resiliência, o espírito de comunidade, e o valor do trabalho das mulheres nesse período de ocupação – como reconstruiram o campo, protegeram e providenciaram abrigo e alimento para os familiares, enquanto os homenes permaneciam encarcerados.

Entre o presente e o passado, as memórias e as marcas que ainda subsistem, entre o documentário do quotidiano e a animação, Dahna Abourahme honra as mulheres pela contribuição para a sobrevivência da comunidade palestiniana no exílio.

 

 

 

Nascida em Acre, Israel, Dahna Abourahme cresceu entre Amã, Dubai e Beirute. Master em video/media na New School de Nova Iorque, onde actualmente reside.

Divide o seu trabalho entre Nova Iorque e a Palestina onde, pelo cinema, exerce trabalho de intervenção comunitária.



publicado por Próximo Futuro às 12:30
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2012

Para acompanhar o programa Kunst und Revolte, na Akademie der Künste, em Berlim, de 29 de Fevereiro a 3 de Março, o blogue do Próximo Futuro publicará, nos próximos 8 dias, excertos dos filmes de 8 realizadoras árabes a exibir no mesmo programa.

 

Forbidden/Mamnou, Amal Ramsis, Egipto, 2011

 

 

Amal Ramsis, (Egipto, 1972), vive no Cairo, onde nasceu. Formou-se em Direito e exerceu a profissão de advogada antes de fazer estudos em cinema. Bolseira, em 2002, no curso de realização cinematográfica na Escuela de Cine y Televisión Séptima Ars de Madrid, regressa ao Cairo onde inicia a sua carreira.
Trabalha temas relacionados com a condição da mulher na sociedade egípcia, (Only Dreams, 2005).
Forbidden/Mamnou, 2011, é uma pesquisa em torno do interdito nesta sociedade, tendo iniciado a sua rodagem poucos meses antes do início da revolução de 2011. A cadeia dos eventos levou a que as primeiras imagens captadas da Praça Tahrir fossem as que  Amal Ramsis filmava para o este Forbidden/Mamnou.

 


publicado por Próximo Futuro às 09:00
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 16 de Fevereiro de 2012

 

 

 

The Arab spring has focused western attention on the Arab world in an unprecedented way. While events in Bahrain, Libya and Syria have turned progressively more violent, there was a period last year when Arab youth inspired onlookers with their courage and thoroughly modern attitudes. However, for a region of more than 300 million people, and with a rich tradition of folklore and storytelling, the Arab world has been historically underserved by its cinema. Egypt can boast of a proud film-making industry that dates back more than a century but, beyond that, the picture has often been less encouraging.

When I began my career as a film producer in Tunisia in the 1970s, there was nothing remotely resembling an Arab film industry. Potential financiers, particularly those in the petro-dollar fuelled economies of the Gulf, were more focused on infrastructure and defence investments than culture. The region was also woefully lacking in cinemas and, while the Arab world was officially bound by the same language, in reality the 22 countries all had dialects and local customs that frequently remained specific to their own borders. The result was the absence of a genuine pan-Arab market for Arab cinema, with only a handful of film-makers, such as Egypt's Youssef Chahine, receiving international recognition.

 

 

 

Para ler o artigo completo no Guardian, clicar aqui.



publicado por Próximo Futuro às 09:00
link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2012

 

 

Antropóloga musical, poeta, pintora, cantautora, bordadora, ceramista, mujer telúrica de fondo trágico y vida fértil, Violeta Parra (La Violeta Parra en su Chile natal) se pegó un tiro en la cabeza en su carpa de La Reina un día como hoy hace 45 años. Le faltaba poco para cumplir 50 años pero el fracaso económico de su utópico proyecto de comuna musical en el campo y el fiasco de su no menos utópico proyecto sentimental junto a sus hijos y un hombre suizo 16 años menor que ella dieron al traste con sus ganas de vivir.

 

En realidad, como casi siempre, la culpa de que apretara el gatillo no fue de nadie. Era una mujer enérgica y tozuda. Tanto como para cruzar Chile con la única compañía de su guitarra y un cuaderno con el empeño de no dejar morir un legado cultural que sin ella se hubiese perdido en los nichos de los pueblos más remotos. Una mujer infatigable que, sin embargo, y como escribió su hermano Nicanor Parra, último premio Cervantes, resultó ser “un corderillo disfrazado de lobo”.

“Yo nunca le pedí cuentas”, recuerda su hijo Ángel, autor de Violeta se fue a los cielos. En esta novela, publicada en 2006, se basa el filme sobre la vida de la artista (interpretada por Francisca Gavilán), que ganó el pasado fin de semana el máximo galardón del festival de Sundance. “No hay rencor hacia ella. Mi madre fue una mujer revolucionaria, una mujer con mucho carácter. Alguien único que emprendió, junto con su hermano Nicanor, una cruzada que ha determinado el destino de la poesía y del canto popular chileno”.

 

Ángel Parra vive en París desde que la dictadura le condenó a la cárcel y al exilio. El hijo mayor de Violeta Parra (tuvo cuatro) colaboró con Andrés Wood, director del filme, y también trabaja en un futuro museo dedicado a la figura y la obra de su madre. “Era una mujer de una genialidad absoluta”, afirma Wood. “Por la profundidad de sus estudios y por la claridad que tuvo a la hora de reconocer la cultura popular de su pueblo”.

Para el director, la rica personalidad de Parra (hosca, irónica y vital) está hoy muy presente en las nuevas generaciones chilenas. “Representa una imagen muy fuerte para los nuevos movimientos estudiantiles. Por su irreverencia, su valentía y su incapacidad para permanecer callada. Hay una generación de cantautores muy jóvenes, como Manuel García, Chinoy o Francisca Valenzuela, para los que ella es una absoluta referencia”.

 

 

Para ler o artigo completo de Elsa Fernández-Santos, basta clicar aqui.

 



publicado por Próximo Futuro às 09:00
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 2 de Fevereiro de 2012

 

 

'Violeta se fue a los cielos', de Andrés Wood y 'Joven y alocada', de Marialy Rivas, premiadas como mejor filme y mejor guion

 

La organización de Sundance, certamen conocido como la meca del cine independiente, fue la primera sorprendida ante la selección de dos cintas chilenas a competición en su categoría internacional pero la calidad de ambas contendientes quedó probada este fin de semana con la concesión de sendos galardones las dos películas de habla hispana.

 

En un mar de indies con marchamo estadounidense la película Violeta se fue a los cielos, de Andrés Wood, obtuvo el premio a mejor película en la sección de cine internacional mientras que Joven y alocada, ópera prima de Marialy Rivas, hizo lo mismo en la categoría de mejor guion. "Es un reconocimiento que tomamos en nombre de toda la comunidad fílmica chilena", indicó Wood en un comunicado cuando la actriz Julia Ormond le entregó el galardón en ausencia. En declaraciones a la prensa sobre este hito para la cinematografía chilena, Wood no pudo ocultar su sorpresa asegurando que la selección de la cinta en este certamen internacional que desde hace 32 años se celebra en Park City (Utah, EEUU) fue ya una victoria. "El premio es un regalo más y nos da energía para intentar distribuir la cinta allá", dijo desde Chile a la prensa local en referencia a unos intentos que llevaron a Violeta se fue a los cielos, centrada en la vida de la cantautora chilena, a las puertas de los Oscar y de los Globos de Oro aunque sin resultados.

 

Para ler o artigo completo de Rocío Ayuso, basta clicar aqui.

 



publicado por Próximo Futuro às 09:00
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2011

 

2011 was a good year for African cinema. In various cinema seats and at home, I’ve been intrigued and moved, horrified and sickened, surprised and hugely entertained by a group of industries that together we call ‘African cinema’ — a sign that what can be expected is anything but stereotypical. In the list below, I’ve chosen films that have expanded what we might think of as ‘African cinema’. Some short films, some documentary, some fiction, some a strange mix of them all.

However, the films I can’t list are perhaps the most powerful ones of the year; those captured on mobile phones and camcorders during critical moments in uprisings, revolutions and elections that have continued to broaden our grasp on the lives and experiences of those whose lives are not yet captured by cinema. This is a new kind of viewing, and one which I think will continue to transform the aesthetic, narratives and distribution of African film in 2012.

(A note for readers: some of these films were released in 2010, but gained theatrical release or wider audiences this year so I’ve included them too. In each case a description of the film is accompanied by its trailer.)

 

Para continuar a ler o artigo de Basia Lewandowska Cummings, e assistir aos respectivos trailers, basta navegar até aqui.

 



publicado por Próximo Futuro às 09:00
link do post | comentar | partilhar

Sábado, 17 de Setembro de 2011

 

 

 

Bolsa de mobilidade artística "Guimarães 2012 - Capital Europeia da Cultura", em parceria com Roberto Cimetta Fund

 

Tendo em vista a preparação de Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura, a Fundação Cidade de Guimarães e o Roberto Cimetta Fund (RCF)  abriram uma bolsa de mobilidade artística para apoiar o intercâmbio cultural entre a cidade de Guimarães (Portugal) e a região Euro-Árabe.

Se é artista ou agente cultural e deseja deslocar-se a Guimarães, ou se está em Guimarães a preparar um projecto de intercâmbio artístico e pretende participar numa residência, num workshop, num encontro de profissionais, num seminário ou conferência, então pode concorrer a esta bolsa para cobrir as despesas de deslocação e de autorização de permanência no local de destino, desde que as deslocações ocorram após o início das candidaturas (1 de Setembro).

 

No processo de selecção, será dada prioridade a candidaturas no âmbito das seguintes áreas artísticas: música, artes performativas, cinema, arte contemporânea, design e arquitectura, preferencialmente no contexto de projectos de residência.

 

A bolsa “RCF/Guimarães 2012 Mobility Fund” é promovida pelo RCF. Na atribuição desta bolsa são aplicáveis os seguintes critérios:

O objectivo da viagem deve potenciar um impacto de longo prazo no sector artístico na bacia do Mediterrâneo. Ou seja, a viagem deve contribuir para o reforço dos recursos existentes, que, por sua vez, podem ser partilhados em rede e promover o contacto entre artistas e operadores artísticos no próprio país ou região, de modo a manter, renovar e desenvolver as artes contemporâneas.

A viagem deve ter lugar após a data de início das candidaturas. Isto implica que o candidato terá de pagar as suas despesas antes mesmo de saber se a bolsa lhe será atribuída ou não.

 

Perfil dos candidatos:

Podem candidatar-se indivíduos que vivam ou trabalhem na região Euro-Árabe, independentemente da idade ou nacionalidade; São elegíveis candidatos que exerçam actividade como artistas, criadores, professores, agentes culturais, administradores ou gestores de projecto.

São elegíveis candidatos que não disponham de recursos próprios para financiar o seu projecto.

 

As candidaturas devem ser apresentadas individualmente, via e-mail, para o endereço: grant@cimettafund.org. No máximo, apenas três membros de um mesmo grupo poderão beneficiar de uma subvenção relativa ao mesmo projecto. Um bolseiro só poderá recandidatar-se duas vezes. Os candidatos devem optar pela via de transporte mais económica, e apenas podem candidatar-se a um bilhete internacional de ida-e-volta, e, despesas de autorização de residência (transporte local não reembolsável).

 

O comité de selecção delibera a 1 de Dezembro de 2011 (data limite para recepção de candidaturas: 30/09/2011)

Os interessados devem visitar o sítio www.cimettafund.org e preencher o formulário de contacto. Ser-lhe-á devolvido o formulário de candidatura RCF/Guimarães2012.

Para mais informações sobre Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura consulte o sítio www.guimaraes2012.pt.

 

 



publicado por Próximo Futuro às 09:00
link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 2 de Setembro de 2011

 

 

 

Este Domingo, dia 4 de Setembro, às 18h00, as 20 curtas-metragens editadas pela LX Filmes no âmbito do Programa Gulbenkian Distância e Proximidade passam no Fórum da FNAC de Guimarães, numa iniciativa da AVE-Associação Vimaranense para a Ecologia.

 

"TÃO PERTO, TÃO LONGE"

 

Em qualquer lugar do mundo, numa tentadora monocultura global, assistimos a uma acelerada uniformização dos hábitos, gostos e culturas, em que as experiências do quotidiano se tornam cada vez mais indiferenciadas. Entre a memória e o quotidiano, vinte realizadores foram convidados a escolher um aspecto singular da sua vivência e a realizar um filme de 5 minutos, através do qual procuram reflectir sobre a miscigenação da nossa ‘cultura global’.

 

O presente que veio de longe, Tiago Hespanha, Portugal

Tsutsumu, Masaki Karatsu, Japão

Eu não sei dizer o nome dela, Felipe Bragança, Brasil

Monumento, Donigan Cumming, Canadá

Namban Japan, André Godinho, Portugal

La Cucaracha, Afra Mejía, México

Gravata "à là Croate", Dan Oki, Croácia

Ping Pong, Yang Heng, China

A Burqa Vermelha, Roxana Pope, Inglaterra/Irão

As Almas de Metal dos Nossos Ancestrais, Svetlana & Zoran Popovic, Sérvia

Mohamed, Postal N.º 106, Bruno Ulmer, França

Ancestral e Moderno, Rui Xavier, Portugal

A Tendência deste Outono, Kim Jong-Kwan, Coreia

Hihokan, Kenji Murakami, Japão

Jogo Limpo, Ricardo Iscar, Espanha

Fixado em Vidro, Samba Félix Ndiaye, Senegal

Rede de Dormir, Marco Dutra, Brasil

Bandoneon, Sebastien Schindel, Argentina

O código da vida de A. Montrond, Margarida Cardoso, Portugal

Traje das Mulheres Herero, Vincent Moloi, África do Sul

 

Produzido por: Luís Correia / LX Filmes

Programador do Programa Gulbenkian Distância e Proximidade: António Pinto Ribeiro

 

 



publicado por Próximo Futuro às 14:30
link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 22 de Agosto de 2011

 

A nossa homenagem a Raúl Ruiz (em primeiro plano na foto) falecido no passado dia 19 de Agosto. A reposição de um post do blog PF a propósito da sua última e única encenação de teatro.

 

Amledi, el tonto, escrita e dirigida por Raúl Ruiz, é o seu último trabalho, e a sua estreia na encenação e direcção teatral. Não é parecido com nada; é um objecto de uma estranheza radical: mistura de fábula de animais combinada com história das religiões, história da convivência entre Mapuchos e Vikings (há provas arqueológicas da presença de Vikings no território que hoje é o Chile). Um espectáculo sincrético, anacrónico, que surpreende em cada momento que passa: imprevisível durante as três horas de duração num cenário que evoca o grande teatro de texto do princípio do século passado ou as grandes narrativas hollywodescas sobre Roma, Grecia, Cleópatra... um texto de uma sabedoria antiga. Fenomenal, como diriam os Chilenos!

 

 



publicado por Próximo Futuro às 14:00
link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 17 de Agosto de 2011

 

 

Um dos mais importantes festivais internacionais de documentários está de volta para a sua 6.ª edição. Este ano o DOCKANEMA - Festival do Filme Documentário, tem lugar na capital moçambicana de 9 a 18 de Setembro e o seu principal eixo temático é o Desporto, dado que Maputo recebe os jogos africanos durante o mesmo período.

 

Mais sobre o DOCKANEMA aqui.

 



publicado por Próximo Futuro às 09:00
link do post | comentar | partilhar

sobre
Próximo Futuro é um programa Gulbenkian de Cultura Contemporânea dedicado em particular, mas não exclusivamente, à investigação e criação na Europa, na América Latina e Caraíbas e em África.
Orquestra Estado do Mundo
This text will be replaced by the flash music player.
posts recentes
links
arquivos
tags
subscrever