Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Próximo Futuro

Próximo Futuro

03
Jul09

Orquestra Imperial e Rodrigo Amarante, 'Pela primeira vez'

Próximo Futuro


Eles são os principais responsáveis por resgatar o charme dos antigos bailes e dar às gafieiras a sofisticação da música brasileira contemporânea: com 19 integrantes, a Orquestra Imperial começou com a despretensão de uma brincadeira de carnaval e acabou virando álbum de inéditas, além de ter uma agenda repleta de shows por todo o Brasil.

“A gente era a fim de tocar junto esse tipo de música, foi fazendo shows e compondo. Aí quando pintou a oportunidade de gravar o disco, achamos legal porque tínhamos várias músicas prontas”, diz a bela Thalma de Freitas, que divide os holofotes com Nina Becker – todos os outros integrantes são homens. “Com tanta música boa bem gravada pra caramba, não fazia sentido fazer regravação.”

Thalma é responsável por um dos pontos altos do álbum, “Rue de mes souvenirs” – canção com letra em francês composta pelo veterano Wilson das Neves em parceria com Stephane San Juan. “O Stephane fez a música, a gente era casado até um tempo atrás”, conta a cantora. “Fui acompanhando todo o processo, ele me mostrou e eu aprendi a letra. Ficou bonita, né?”

A mistura de samba, bossa nova e tropicália de “Carnaval só ano que vem” rende ótimos momentos, como “O mar e o ar”, de autoria de Domenico Lancellotti e Rodrigo Amarante, vocalista, guitarrista e compositor do Los Hermanos. A verve bem-humorada do grupo fica explícita em “Ereção”, cujo título dispensa explicações. A participação especial fica a cargo de Jorge Mautner – é dele, ainda, a canção “Ela rebola”.

Diante de tanta consistência – e críticas positivas – parece mentira que tudo começou como uma mera brincadeira. “Cada vez que a gente foi renovando as temporadas, a gente foi entendendo que ali existia alguma coisa realmente muito legal, desde o começo”, diz Thalma. “A gente não sabia que ia durar tanto, ninguém tinha a expectativa de virar uma banda e lançar um disco bacana como esse.”

“Mas acho que formar coletivos é algo que está acontecendo com muita freqüência em todo lugar. Eu mesma faço parte de vários grupos de gente que faz música junto e é muito enriquecedor. Eu gosto muito e, inclusive, prefiro assim.”


(Fonte: G1 - Globo.com)

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D