Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Próximo Futuro

Próximo Futuro

22
Set09

...

Próximo Futuro
Agora passados anos estou aqui defronte ao mar numa ilha cuja definição clássica é, mais do que nunca, pertinente: um pedaço de terra rodeado de água por todos os lados. Em frente, o oceano, imenso, de onde parece que nada chegará. À esquerda, no recorte de uma curta marginal, casas coloniais que ficaram do antigo império, dos tempos gloriosos e luxuriantes do cultivo do cacau. As casas estão em silêncio, as portadas fechadas, o trânsito de automóveis é mínimo. Daqui a momentos, cairá a noite, assim, de repente, como uma cortina veloz, como acontece sempre em África. E depois, começam a surgir algumas luzes vagas, tremeluzindo numa encosta da montanha ou numa pequena curva da marginal. A essa hora já não haverá crianças nas ruas, e são poucos os mais velhos que se encontram de regresso às suas aldeias. A cidade vai adormecer e, a não ser que uma tempestade a acorde, a noite será sossegada até o dia raiar, muito cedo, muito luminoso, muito húmido.
Nesta cidade houve tempos de grandes poetas negros, mestiços, brancos. Como Caetano da Costa Alegre, que morreu jovem (1864-1890).

“Eu e os Passeantes”

Passa uma inglesa,
E logo acode,
Toda surpresa:
What black my God
Se é espanhola,
A que me viu,
Diz como rola:
Que alto, Dios mio
E, se é francesa:
O quel beau negre!
Rindo para mim.
Se é portuguesa
Ó Costa Alegre!
Tens um atchim!

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D