Quinta-feira, 19 de Abril de 2012

 

 

 

 

Um dos dados que mais assustaram quando a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil foi apresentada em março diz respeito ao uso que a população faz das bibliotecas. Ou melhor, ao não uso. Só 7% dos brasileiros vão com frequência a uma e a maioria, 20%, respondeu que iria se houvesse mais livros novos. O problema, no entanto, não é novo e desde que criou o Salão do Livro para Criança e Jovem, há 14 anos, a Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) vem tentando dar a sua contribuição para que as escolas renovem os acervos. Assim, já estariam a meio caminho andado da formação de leitores, o objetivo maior da feira.

 

Por isso, quem ganha incentivo da prefeitura carioca para comprar livros nas edições anuais do evento - a de 2012 começa nesta quarta no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio -, são as escolas.

 

 

 

 

Continuar a ler no Estado de São Paulo.

 

 

 

 

Setenta e oito editoras divididas em 85 estandes. Presença de 200 artistas, entre escritores e ilustradores. A 14ª edição do Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens começa nesta quarta (18) e espera um público de 50 mil pessoas. Este ano, o evento homenageia o escritor mineiro Bartolomeu Campos de Queirós, autor de oito livros, entre eles, A árvore (Editora Paulinas), Anacleto (Editora Larousse), Sem Palmeira ou Sabiá (Editora Peirópolis) e História em 3 Atos (Editora Global), que morreu em janeiro. Além de, como em todas as outras edições, ter um país homenageado. O escolhido deste ano é o México

 

Durante os 12 dias do evento, o público de crianças e jovens terá a chance de participar de bate-papos com os principais escritores e ilustradores do país, de acompanhar a leitura de histórias e assistir a seminários. Como já faz parte da tradição, terão quatro bibliotecas separadas por faixa etária (bebês, crianças, jovens e educadores). Nelas, são realizados encontros com os autores e leituras mediadas pelos monitores, mas também é possível ficar ali lendo, folheando os livros e brincando com as obras. Como todos os anos, as crianças ganham um livro ao visitar a feira.

 

 

 

Continuar a ler n'O Globo.



publicado por Próximo Futuro às 14:00
link do post | comentar | partilhar

 

 

 

Entre tanto augurio apocalíptico para el libro en papel, las ferias del libro, sin embargo, pugnan con vitalidad por reinventarse. ¿Cómo? Convertidas en oasis literarios para lectores, escritores, agentes o editores en un mundo que vive entre la paradoja de la hipercomunicación virtual y la amenaza de naufragio de las relaciones humanas de carne y hueso. La Feria del Libro de Bogotá, que ayer inauguró su edición 25ª es una buena muestra de ello. Es una de las más importantes de América Latina, así como un ejemplo de la necesidad e importancia de estos acontecimientos. “La gran aportación de una feria es la vida social, el trato real que requieren... y del que carece Internet y las recomendaciones de los periódicos”, asegura la escritora Rosa Montero, que ha ido en tres ocasiones a la Filbo, como llaman los colombianos al evento. La peculiaridad de esta cita, agrega Montero, “es ese trato íntimo y familiar que la hace especial. Tiene una afluencia increíble, una tradición arraigada”.

 

 

 

Continuar a ler no El País.



publicado por Próximo Futuro às 09:15
link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 18 de Abril de 2012

 

 

 

Joe Sacco (Malta, 1960) ha sido uno de los grandes revolucionarios del cómic haciendo algo que, en el fondo, es más antiguo que la imprenta: dibujar la realidad. No es el único que ha trasladado el periodismo al tebeo pero sin duda es el que ha alcanzado una mayor difusión con títulos como Goradze, zona protegida (Bosnia), Palestina y Notas al pie de Gaza (Oriente Próximo) o, ahora, Reportajes (Mondadori), del que este blog ofrece un adelanto. El libro que se comercializará el próximo 26 de abril, trata de una serie de historias que Sacco investigó en diferentes lugares del mundo, tres de ellas realmente espectaculares: "Mujeres chechenas", "Inmigrantes africanos" y "Kushinagar", sobre la pobreza en India.

 

 

 

Continuar a ler no El País.



publicado por Próximo Futuro às 14:09
link do post | comentar | partilhar

 

 

 

The National Afro-Swedish Association has called for Lena Adelsohn Liljeroth to be sacked after she was pictured cutting the 'genital mutilation' cake.

 

A top Swedish politician is at the centre of a race row storm after she was pictured cutting up a cake depicting a naked black woman.

Minister of Culture Lena Adelsohn Liljeroth was pictured enacting female genital mutilation on the racial stereotype cake, prompting calls for her resignation.

The self-confessed ‘anti-racist’ attended a party at Moderna Museet, the museum of modern art in Stockholm on World Art Day on April 15.

Liljeroth was pictured laughing and joking as she cut the macabre cake was designed by Makode Aj Linde.

The sweet treat featured a black woman’s naked torso with the artist’s own head, painted black, at the top.

Once cut open, the cake sponge was red, depicting blood.

It is believed the art installation was intended to highlight the issue of female circumcision, as the minister first cut a slice of cake from the ‘clitoris’.

 

 

 

 

Continuar a ler no Mirror


tags:

publicado por Próximo Futuro às 09:00
link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 17 de Abril de 2012

 

 

 

Star planétaire, patron de presse et hommes d'affaires prospère, Youssou N'Dour est le ministre de la Culture et du Tourisme du Sénégal depuis le 4 avril dernier. Une nomination qui déclenche un débat passionné dans le pays, comme en attestent ces deux opinions contradictoires parues dans la presse dakaroise.

 

Que les choses soient claires ! Loin de moi toute idée de remise en cause de la capacité de Youssou N’Dour à gérer le ministère de la Culture et du Tourisme. L’homme a fait ses preuves dans le milieu culturel sénégalais. Sa nomination est légitime. Est-elle pour autant déontologique ? La fonction de ministre de la Culture est-elle compatible avec celle de dirigeant de structures qui prospèrent dans le milieu culturel ?

 

 

 

Continuar a ler no Courrier International.



publicado por Próximo Futuro às 14:54
link do post | comentar | partilhar

Prix international décerné à une femme photographe.

 

 

Pourquoi un prix pour une femme photographe ?

 

 

Les femmes de ma famille m’ont été fondatrices : Virginia ma grand mère pianiste, ma grande-tante peintre, et ma mère sculpteur ont nourri ma curiosité pour l’art depuis ma plus tendre enfance. Cette filiation a ouvert mon chemin d’artiste plasticienne

 

Créer le Prix Virginia, c’est affirmer mon soutien à la reconnaissance des femmes photographes. C’est aussi partager les passions qui m’ont été transmises.

 

 

 

Mais informações em PRIX {virginia}.



publicado por Próximo Futuro às 11:19
link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 16 de Abril de 2012

 

 

 

For centuries, Timbuktu has existed in the Western imagination as a byword for the most exotic, far-flung place conceivable.

Situated on the southern edge of the Sahara, it acquired a near-mythical status in distant countries for its fabled inaccessibility, and for the accounts of the dazzling material and intellectual wealth to be found there.

Intrigued visitors continue to be drawn by the treasures that survive from the city's medieval golden age as an important academic, religious and mercantile center -- its great earthen mosques, and hundreds of thousands of scholarly manuscripts held in public and private collections.

The city, today part of present-day Mali and known as the "city of 333 saints" for the Sufi imams, sheiks and scholars buried there, was made a UNESCO World Heritage site in 1988.

 

 

 

Continuar a ler na CNN.



publicado por Próximo Futuro às 14:00
link do post | comentar | partilhar

 

 

 

Jan Vandemoortele foi um dos “arquitectos” que, em 2001, definiu aqueles que viriam a ser conhecidos como os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio. A menos de três anos do prazo para o seu cumprimento, o actual investigador traça, em entrevista, os progressos alcançados por este compromisso global, ao mesmo tempo que tece duras críticas à forma como o processo tem vindo a ser conduzido pelas elites mundiais. “A agenda pós-2015 deverá seguir uma abordagem muito mais inclusiva”, defende.

 

“De co-arquitecto a amigo crítico dos ODM”. Foi assim que Jan Vandemoortele se apresentou na entrevista que concedeu ao VER. O antigo director do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e que viria a ser, em conjunto com o conselheiro especial de Kofi Annan, o autor dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, tem sido uma voz crítica no que respeita, em particular, à concepção errada que ainda se tem sobre o estabelecimento e alcance destes objectivos. Vandemoortele acusa ainda aqueles que clamam por uma estratégia geral para os ODM, argumentando que o que se pretende é “despolitizar o processo de desenvolvimento, reduzindo-o a uma série de intervenções estandardizadas de natureza técnica”. Actualmente investigador independente, escritor e orador convidado em conferências um pouco por todo o mundo, Vandemoortele alerta ainda para o facto de que o processo que levou à criação dos ODM não deverá ser repetido. “A formulação da agenda pós-2015 deverá seguir uma abordagem muito mais inclusiva”, defende.

 

 

 

Continuar a ler no Portal Ver.



publicado por Próximo Futuro às 09:00
link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 13 de Abril de 2012

 

 

 

De Bamako à Lagos, de Johannesburg à Khartoum les initiatives se multiplient et dynamisent la scène photographique africaine. Photographes, collectifs et structures informelles, forts de leur succès récent et enhardis par la conviction que l'artiste africain a son mot à dire, s'appuient moins sur les institutions locales (toujours faibles) ou internationales (toujours lointaines) que sur leur propre volonté de s'exprimer et de faire avancer leur art. C'est l'heure du trans-africanisme, qui par ses efforts de briser les frontières et encourager les échanges culturels, promeut une photographie d'origine contrôlée. Une photographie africaine par les Africains.

 

 

 

 

Continuar a ler em Photographie.com.



publicado por Próximo Futuro às 14:00
link do post | comentar | partilhar

A conversa informal é o centro de todo o projecto: são 8 painéis temáticos, cada um com um moderador que algumas vezes é também curador, seleccionando ou sugerindo convidados. Todos podem intervir: desde quem está no público a quem está a acompanhar através das redes sociais e do livestream

 

 

 

O Desafio da Programação e Curadoria

 

Host: João Vasconcelos (Canal 180)

 

Convidados: Sérgio Hydalgo (Zé dos Bois) Daniel Ribas (Estaleiro / Curtas de Vila do Conde) Lúcia Marques (Próximo Futuro / Gulbenkian) Manuel Henriques (Trienal de Arquitectura de Lisboa)

 

Este é o painel central do #pfc2012sim, uma conversa com instituições nacionais e internacionais dedicadas à cultura, e que a interpretam e trabalham de forma diferente. Quais são os desafios de quem programa para o público da actualidade? Da música às artes plásticas e ao cinema, como estão a desenvolver projectos que acompanham a conversação de uma audiência com uma mobilidade muito diferente de há alguns anos atrás?

 

 

 

15 Abril, Conservatório de Música de Coimbra.

Mais informações em Pensar Fora da Caixa.



publicado por Próximo Futuro às 13:13
link do post | comentar | partilhar

sobre
Próximo Futuro é um programa Gulbenkian de Cultura Contemporânea dedicado em particular, mas não exclusivamente, à investigação e criação na Europa, na América Latina e Caraíbas e em África.
Orquestra Estado do Mundo
This text will be replaced by the flash music player.
posts recentes
links
arquivos
tags
subscrever