Sexta-feira, 11 de Março de 2011

 

 

 

Em Portugal também já está em curso o projecto de mapeamento, cooperação e internacionalização de “Espaços Culturais Independentes”, com o apoio da Rede Europeia de Centros Culturais Independentes TRANS EUROPE HALLES e da plataforma internacional Artfactories.

Esta iniciativa pretende identificar e recolher “informação relevante sobre os modelos de organização, gestão e programação dos espaços culturais independentes, particularmente espaços culturais multidisciplinares, centrados no pensamento e criação artística contemporâneas, com o objectivo de promover o intercâmbio de experiências e cooperação entre centros culturais e agentes independentes nacionais e internacionais, com características similares”.

No respectivo website encontram-se já entrevistas realizadas a algumas das equipas que gerem este tipo de espaços, bem como informação sobre os encontros organizados regularmente pela Trans Europe Halles, nos quais se destacam as sessões de formação sobre “economia, financiamento e sustentabilidade de centros culturais independentes”, e ainda as “visitas organizadas a outros centros independentes”. Também se encontram on-line o dossier do projecto e o formulário que permite ficar no mapa.

 

LM

 

 

 



publicado por Próximo Futuro às 06:55
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 10 de Março de 2011

 

Trata-se de uma das maiores exposições de design de artistas africanos e da diáspora apresentada no Mad (Museu das Artes e Design) em Nova Iorque. A exposição reparte-se por vários andares e organiza-se em núcleos tais como: marcas, intersecção de culturas, diálogos ecléticos, transformando tradições, construindo comunidades, etc. E assim são apresentados tecidos, desenhos, fotografias de cortes de cabelo, pintura, roupa, jóias, objectos de uso doméstico, mobiliário, etc. Mas o mais importante é a definição do contexto que indica a produção sofisticada destas obras no mundo global. Os seus autores são africanos ou afro-descendentes e entre as várias dezenas expostos destacam-se nomes como Rachid Korachi, Gonçalo Mabunda, Ynka Shonibare, Sheila Bridges, Iké Udé, Meschac Gaba, Vlisco, e muitos, muitos outros que apresentam obras sofisticadas, elegantes, de bom gosto e recorrendo a materiais inusuais no design europeu e americano e de uma versatilidade ímpar. Mais uma ideia da África cosmopolita.



publicado por Próximo Futuro às 14:15
link do post | comentar | partilhar

Luis Camnitzer

 

El Museo del Barrio agora nas novas instalações na 5ªa Avenida (1230) tem um programa muito claro: apresentar a riqueza da cultura latino-americana e caribenha em Nova Iorque. Tem um acervo de 6.500 obras de arte e de culto, algumas delas como 800 anos de história. O museu foi criado há 40 anos e tem cumprido o objectivo de dar a ver as práticas culturais e contar as narrativas das comunidades e dos países que se propôs mostrar bem como da diáspora nova-iorquina com a qual trabalha de um modo muito intenso. Neste momento e até 29 de Maio apresenta uma retrospectiva do artista uruguaio  Luis Camnitzer (Alemanha, 1937) residente em Nova Iorque há décadas. A exposição particularmente representativa do percurso de Camnitzer  mostra as suas facetas de artista que sempre trabalhou no campo experimental e político. As obras reflectem as suas temáticas sobre a condição de artista de um país periférico, a condição de artista como trabalhador e produtor e o carácter de mercadoria que a obra de arte sempre implica.

 

 

Virus americanus xiii, 2003 de Vargas-Suarez Universal  

 

O acesso ao acervo permite ver e apreciar obras e artistas de referência da História de Arte latino-americana e suas relações –não exclusivas com praticas ancestrais. Obras em destaque:

Sin título , n.d. de Eloy Blanco (Puerto Rico, 1933)

Virus americanus xiii, 2003 de Vargas-Suarez Universal (México, 1972)

Ambulatorio, 2003 de Oscar Muñoz (Florida, 1969)

Poesia blanda, 2003 de Andrea Moccio (Buenos Aires, 1964)

 

 

 



publicado por Próximo Futuro às 06:05
link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 9 de Março de 2011

 

A Armory show é a feira de arte contemporânea de Nova Iorque. Está organizada em duas secções: as galerias “caras” da arte moderna : Picassos, Dalis , Rauschenbergs; mas também havia peças de Andy Warhol, de Basquiat e de outros artistas dos setenta e oitenta, e, claro em maior número os stands de arte contemporânea. Nesta edição uma secção importante da feira estava reservada às galerias latino-americanas (dezoito) e que eram o seu núcleo temático desta edição. Particularmente bem representadas estavam as brasileiras, as mexicanas, as argentinas, as chilenas mas também uma presença qualitativa do Uruguai e do Peru.

Mas a Armony show é também um pretexto para uma semana de arte contemporânea que faz que surjam todos os anos feiras paralelas mais off ou mais conservadoras, que aconteçam múltiplas actividades na performance, no cinema e no vídeo, e as galerias de Chelsea e do Soho aproveitam para exporem novos artistas ou apresentarem novas exposições. Claro que uma feira de arte é uma feira de compra e de venda e portanto o dinheiro circula. E circula muito e depressa como o confirmavam as vendas assinaladas nos stands e as newsletters de algumas galerias, uma das quais informava que a Christie’s tinha vendido cinco biliões de dólares no ano fiscal de 2010, o que queria dizer mais 53% que em 2009; a Sotheby’s, por sua vez, tinha vendido 4,3 biliões em 2010, mais dois biliões que no ano anterior. O que queria isto dizer? Que as expectativas de venda são grandes para 2011 e que o mercado da arte está recuperar extraordinariamente da crise do 2008 e 2009.



publicado por Próximo Futuro às 09:50
link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 8 de Março de 2011

 

Tendo por mote “El libro de los seres imaginarios” do argentino Jorge Luis Borges, o SideBySide Studio de Berlim está a organizar, em co-produção com o colectivo Mindpirates, um programa de três dias a acontecer na Alemanha, no final de Maio de 2011, sobre e em torno da América Latina através da sua própria produção artística:

 

Jorge Luis Borges talked about a red fish swims backwards so the water will not get into its eyes in El libro de los seres imaginarios (The

Book of Imaginary Beings), this red fish pops up whenever we are confronted with differences in thinking.

Between Windows attempts to initiate dialogues about and around Latin America through time-based media to see if we can swim backwards

together. Many people asked us what is the theme for program, like every good conversation, we do not know where it will take us before

it starts.

For this program, we have chosen to be humble and want to listen to friends and experts from Latin America first before we open our mouth. Yet we are prepared to meet the demands of political-cultural debate and to navigate the diverse visual output that confronts the territory in the crisis time today.

 

Por isso: artistas visuais nascidos ou residentes na América Latina estão convidados a enviar as suas “experiências artísticas” até ao próximo dia 4 de Abril de 2011. Todos os detalhes aqui.

 

LM

 



publicado por Próximo Futuro às 12:13
link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 4 de Março de 2011

 

Novo vídeo de um dos projectos musicais mais interessantes da actualidade na África do Sul, Spoek Mathambo. O vídeo é realizado por Pieter Hugo, fotógrafo sul africano, cujo trabalho esteve presente na exposição Um Atlas de Acontecimentos em 2007 (fórum cultural O Estado do Mundo) e autor da fotografia do primeiro número do jornal Próximo Futuro.



publicado por Próximo Futuro às 10:31
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 3 de Março de 2011

 

ALL POWER TO THE PEOPLE. ENTÃO E AGORA. from Galeria Zé dos Bois on Vimeo.

 

 

Oportunidade única para conhecer ao vivo alguma documentação e material artístico do Black Panther Party a partir da produção do seu Ministro da Cultura entre 1967 e 1982: Emory Douglas.

A exposição abre ao público na galeria ZDB – Zé dos Bois,  um espaço com uma programação particularmente interessada na complexa relação entre arte e política, cujo nome é inclusive adoptado (em jeito de tradução literal, “aportuguesada”) do próprio nome do também revolucionário artista Joseph Beuys. Em Lisboa, não podia ser num lugar melhor, que inclusive acolheu há pouco tempo o lendário poeta e activista Gerd Stern, actualmente empenhado em realizar precisamente um documentário sobre os "Black Panther" ("Panteras Negras").

 

Na ZDB, a mostra “é pontuada por inúmeros murais que ilustram o imaginário gráfico de Emory Douglas num percurso que é acompanhado de uma vasta selecção de jornais radicais, literatura referencial, cartazes, panfletos, fotografias, e outros itens da época, incluindo material documental áudio e vídeo". Adianta-se ainda que a exposição "tem como matriz referencial os Estados Unidos, aflora questões dos movimentos radicais dos anos sessenta e início de 70, as reivindicações e os direitos civis da comunidade afro-americana, o BPP – a sua ideologia, programas sociais e relações internacionais (com destaque para os eventos que dizem respeito aos movimentos de libertação luso-africanos), o Black Arts Movement e finalmente uma selecção de material gráfico tal como cartazes e o jornal dos Panteras Negras do qual Emory foi responsável gráfico e onde semanalmente mostrava um novo trabalho. O imaginário gráfico de Emory Douglas marca uma ruptura com a representação dos negros feita pelos media da época, que se dividiam entre a total exclusão e a reprodução de estereótipos sociais de inferioridade. As ilustrações de Emory Douglas devolvem ao negro a condição de sujeito agente da sua determinação identitária e do destino da sua comunidade.  A par da função de empowerment, as imagens criadas por Emory Douglas ilustram as condições sociais que faziam da revolução uma necessidade urgente, retratando a pobreza e a repressão, a que se contrapunha a acção social de apoio desenvolvida pelos Panthers".

 

Com curadoria de Natxo Checa (responsável pela programação de Artes Visuais da galeria), “All Power to the People” conta ainda com a colaboração dos curadores convidados Billy X Jennings e Ricardo Matos Cabo, estando agendadas conversas com Jennings, o próprio Emory Douglas, o também “Pantera Negra” Robert King (que chegou a ser preso político em Angola) e com o artista madeirense – radicado nos EUA e reconhecido pelos seus projectos de arte pública – Rigo 23.

Em parceria com o Programa Arte, Política, Globalização da Fundação de Serralves, há também um promissor ciclo de filmes sobre os “Panteras Negras”, alguns deles inéditos em Portugal, no Espaço Nimas.

 

 

Lúcia Marques

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por Próximo Futuro às 15:53
link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 1 de Março de 2011

 

 

 

 

 

Dando continuidade, em 2011, ao ciclo de conferências que ao longo do ano passado proporcionou o encontro em Lisboa com pensadores incontornáveis da contemporaneidade (tais como Hans Ulrich Obrist e Michael Hardt) investigadores no cruzamento da arte e ciência (como Nelson Brissac) ou mesmo programadores e curadores também de geografias muito diversas (como foi o caso de Brett Littman, Raphaela Platow e Luiz Camillo Osório), o CARPE DIEM – Arte e Pesquisa  recebe já no próximo dia 12 de Março a dupla de historiadores e curadores do projecto “GAM – Global Art and the Museum” (Arte Global e o Museu): Hans Belting e Andrea Buddensieg.

 

A conferência centrar-se-á na discussão de um “novo estatuto da arte e dos museus de arte contemporânea num mundo globalizado”, partindo do pressuposto de que os Museus “estão a ser discutidos como sítios de produção cultural contestados, onde a representação da cultura, quer nacional, local ou popular facilmente se transformou numa questão política”.

 

Co-autor do projecto GAM juntamente com Peter Weibel, o polémico Hans Belting (célebre autor de “O Fim da História da Arte”, traduzido para português em 2006 pela Cosac Naify) será acompanhado em Lisboa pela actual coordenadora desta plataforma de pesquisa: A. Buddensieg, que com Weibel e Belting co-editou, respectivamente, duas importantes reflexões ligadas a este tema (ambas publicadas pela Hatje-Cantz: “Contemporary Art and The Museum. A Global Perspective“, 2007; e “The Global Art World. Audiences, Markets and Museums”, 2009).

 

A intervenção da dupla defenderá que, o que consideram ser Arte Global, “na sua nova expansão, pode mudar substancialmente o conceito do que é a arte contemporânea e a arte no geral, pois ela está em lugares onde nunca esteve na história da arte e onde não existe qualquer tradição de museu”. Debate actualíssimo e imperdível.

 

Lúcia Marques

 



publicado por Próximo Futuro às 09:54
link do post | comentar | partilhar

sobre
Próximo Futuro é um programa Gulbenkian de Cultura Contemporânea dedicado em particular, mas não exclusivamente, à investigação e criação na Europa, na América Latina e Caraíbas e em África.
Orquestra Estado do Mundo
This text will be replaced by the flash music player.
posts recentes
links
arquivos
tags
subscrever