Domingo, 1 de Maio de 2011

Lilia Benzid, Zaafrane Cemetery (Tunísia), 2008

 

 

Programa Gulbenkian Próximo Futuro regressa em Maio com um workshop, conferências e a inauguração de uma exposição de fotografia e vídeo.

O 5º workshop de investigação e produção teórica deste Programa realiza-se nos dias 11 e 12 de Maio e é dedicado ao Estado das Artes em África e na América do Sul. Sendo o Próximo Futuro um programa centrado nestas regiões geográficas e nas diásporas dos países que delas fazem parte, pretende-se, assim, estudar e problematizar o estado das várias artes nestes países e nas suas diásporas, quer no que diz respeito às práticas artísticas, quer no que diz respeito às narrativas sobre as artes, em especial no período pós-independentista, muito diferente conforme os países e os continentes geográficos a que nos referimos.

O objectivo também passa por fazer um levantamento do sistema das artes no contexto dos mercados, das organizações de artistas, de formação e de distribuição. Durante o workshop, cujas sessões serão abertas ao público apenas no dia 12 de Maio, serão referidos estudos de caso e haverá reflexões sobre a produção local e a sua internacionalização. Para participar neste workshop, para além dos Centros de Investigação parceiros habituais deste Programa, o Próximo Futuro tem como convidados Bárbara Alves, portuguesa, que desenvolve actividades na área do design como ferramenta participativa e de desenvolvimento social; Cergio Prudencio, da Bolívia, compositor e director titular da Orquestra Experimental de Instrumentos Nativos; Federica Angelucci, nascida em Itália, directora e curadora de fotografia da Galeria Michael Stevenson, na Cidade do Cabo; e ainda Kenneth Montague, canadiano de ascendência jamaicana, fundador da Wedge Curatorial Projects, organização dedicada à promoção da arte contemporânea que investiga a identidade negra. 

Já o dia 13 de Maio será preenchido com quatro conferências de entrada livre, chamadas Grandes Lições, que ocuparão o Auditório 2 da Fundação durante a manhã e a tarde. Nesse dia poderemos assistir às intervenções de Patrick Chabal, professor de História e Política Africana do King’s College (Londres), de Breyten Breytenbach, escritor e pintor sul-africano, de Yudhishthir Raj Isar, professor de Estudos de Política Cultural na American University of Paris, e do nigeriano Kole Omotoso, romancista, dramaturgo e crítico.

Na mesma data, pelas 22h00, será inaugurada a exposição Fronteiras, produzida no âmbito da última edição dos Encontros de Bamako – Bienal Africana de Fotografia, em 2009. Esta mostra colectiva reúne cerca de 180 fotografias e vídeos que reflectem a criação contemporânea na área da fotografia em África e dos artistas afro-americanos, oferecendo diversas interpretações e representações das questões socio-políticas, culturais e identitárias tratadas por estes artistas. A exposição Fronteiras estará patente na Galeria de Exposições Temporárias da Sede até 28 de Agosto. A seguir à inauguração haverá um Baile na Garagem, com DJs convidados.

Em Junho e Julho, o Próximo Futuro prossegue com a sua programação de Verão, que inclui conferências, projecção de cinema, apresentação de espectáculos de teatro, dança e música e instalações artísticas no Jardim Gulbenkian.

 

 

A partir de 1 de Maio de 2011 também pode seguir o Próximo Futuro no Facebook e no Twitter!



publicado por Próximo Futuro às 00:00
link do post | comentar | partilhar

sobre
Próximo Futuro é um programa Gulbenkian de Cultura Contemporânea dedicado em particular, mas não exclusivamente, à investigação e criação na Europa, na América Latina e Caraíbas e em África.
Orquestra Estado do Mundo
This text will be replaced by the flash music player.
posts recentes
links
arquivos
tags
subscrever