Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2012

 Gego, Proyecto Lausanne, c. 1975

 

 

El presente seminario trata de construir una constelación de miradas críticas en torno al arte moderno en América Latina. Se abordan los problemas de los orígenes de la abstracción geométrica, las influencias recíprocas entre Europa y América Latina, y los procesos complejos de hibridación entre tradiciones y modernidades. Los modos de narrar dichas historias, además de los modelos expositivos para presentar las vanguardias, constituyen otro de los focos del seminario. De esta forma, articula una genealogía de los recientes planteamientos expositivos e historiográficos que han pensado estas obras y movimientos. El seminario pretende así también ser el sustrato crítico que permita pensar la futura exposición de la Colección de arte moderno Patricia Phelps de Cisneros (CPPC) que el Museo Reina Sofía organizará en 2013.

 

 

 

Continuar a ler.



publicado por Próximo Futuro às 09:00
link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 23 de Agosto de 2011

 

 

After reviewing 160 applications from Turkey and EU countries, 38 applications (19 Turkey & 19 EU) have been selected for the first step of Tandem Turkey-EU project.


Para continuar a ler aqui (e aqui há um atalho para o relatório da pré-selecção, com a 'short list' da candidaturas, incluíndo biografias e informação sobre as organizações).

 

 



publicado por Próximo Futuro às 09:00
link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2011

 

 

 

O Programa Próximo Futuro - estando atento à produção cultural em outros continentes culturais -, continua atento ao futuro da Europa. É urgente ler o longo e informadíssimo texto de Paul Krugman.



publicado por Próximo Futuro às 12:10
link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 1 de Março de 2010
(...) No âmbito deste trabalho inventariam-se oito casos de estudo de situações emergentes e tradicionalmente tidas como periféricas: Brasil, Chile, China e Hong Kong, Grécia, Turquia, África do Sul e Moçambique, sendo que não há um modelo que lhes seja comum e muito menos um estado das artes semelhante. (...).

A ler, na ArteCapital.

Para ler a primeira parte deste trabalho, seguir a ligação, neste blog, do lado direito.


publicado por Próximo Futuro às 18:02
link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 19 de Fevereiro de 2010
O convite da Artecapital era obviamente muito estimulante, mas absolutamente irrealizável, dado o tempo e os recursos humanos que seriam necessários para realizar uma investigação apropriada e exaustiva sobre o tema proposto. Ficam aqui apenas algumas premissas de um possível trabalho para uma equipa de investigadores, e algumas notas relativas a um conjunto específico de países, de algum modo representativo da situação da produção e difusão das artes visuais contemporâneas fora dos circuitos e dos países até há pouco tempo tidos como primeiros e históricos produtores. 

Há que, desde logo, partir da diferenciação das condições de produção, da expectativa de valorização nos mercados e dos valores financeiros que separam as artes visuais das artes performativas, ocupando estas últimas, em termos de transacção comercial, uma importância bastante residual, mesmo considerando a Ópera e as suas mega-produções. Relativamente às artes visuais, há ainda que diferenciar a criação não contemporânea cujos objectos constituem maioritariamente um valor simbólico − nada desprezível, bem pelo contrário −, sendo as suas transacções mais raras e sempre espectaculares pelos montantes obtidos. Existe ainda uma terceira diferença, que diz essencialmente respeito aos valores quantitativos e qualitativos das peças, caso se esteja a falar do circuito de Nova Iorque, Los Angeles, Londres, Munique, Paris e Zurique/Basel, ou dos circuitos mais emergentes como o de São Paulo, Xangai, Dubai, México. Estes últimos, embora sendo já mercados em forte ascensão, são difusos nas formas de implantação, acantamento de clientes − pequenos e grandes coleccionadores − nas trajectórias das obras e na sua valorização. Também os motivos de exposição, como os de aquisição de obras, são sociologicamente ainda pouco estudados. Finalmente, aspectos relevantes como a existência ou não de mercados locais cruzando-se com o circuito internacional, o estímulo por parte das organizações governamentais, onde se incluem os museus, os mecanismos de apoio à produção e à difusão dos criadores, as formas de acolhimento de artistas estrangeiros e, finalmente, os mecanismos de criação e de visibilidade, como bolsas de artes e residências artísticas, fazem a diferença entre aquelas cidades ou países que na actualidade mais expectativas podem gerar.

No âmbito deste trabalho inventariam-se oito casos de estudo de situações emergentes e tradicionalmente tidas como periféricas: Brasil, Chile, China e Hong Kong, Grécia, Turquia, África do Sul e Moçambique, sendo que não há um modelo que lhes seja comum e muito menos um estado das artes semelhante. 



Para continuar a ler, aqui 


António Pinto Ribeiro, in Arte Capital


publicado por Próximo Futuro às 18:40
link do post | comentar | partilhar

sobre
Próximo Futuro é um programa Gulbenkian de Cultura Contemporânea dedicado em particular, mas não exclusivamente, à investigação e criação na Europa, na América Latina e Caraíbas e em África.
Orquestra Estado do Mundo
This text will be replaced by the flash music player.
posts recentes
links
arquivos
tags
subscrever