Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2012

New direction: Baloji put behind him the life of an illegal migrant who survived for years through petty crime

 

Congolese star Baloji tells Mark Hudson how he conquered adversity to ascend to a global stage

 

'When you’re at the airport, about to be deported, there’s no friendly cop to tell you you can phone your family,” says Congolese rapper Baloji. “That happens in films, not in reality. I was crying, telling them I didn’t want to go. Congo is my country, but I’d been living in Belgium for 20 years. That was the moment I realised the strength of my connection to Europe.”

 

One of the most exciting talents to emerge over the past year – his current album Kinshasa Succursale is a superbly nuanced blend of verbal passion, traditional Congolese sounds, funk and reggae – Baloji could be the artist to give African rap a truly global profile. Despite the massive popularity of rap on the continent itself, and isolated successes such as Somali wordsmith K’Naan, the international perception of African hip hop has been of imitative gangsta rap at one end of the spectrum and bland positivism at the other.

 

Baloji, however, has the great advantage of being able to look at Africa from both inside and outside. He understands the contradictory position of the African in Europe having plumbed it to the depths in his own life. Commanding in performance, philosophical in conversation, he has been, in more difficult stages of his life, just the sort of shiftless, stateless marginal person who puts the wind up settled Western society – a sometime illegal migrant who survived for years through petty crime.

 

Para continuar a ler o artigo sobre o músico Baloji, que a 26 de Junho de 2011 deu um concerto memorável no Anfiteatro ao Ar Livre da Gulbenkian, no âmbito do Próximo Futuro, basta clicar aqui.

 

 



publicado por Próximo Futuro às 09:00
link do post | comentar | partilhar

Domingo, 26 de Junho de 2011

 

 

É hoje, às 19h00, no Anfiteatro ao Ar Livre do Jardim Gulbenkian, que terá lugar o concerto único do músico BALOJI no PRÓXIMO FUTURO

Cada bilhete custa 10 Euros e pode adquiri-lo on-line aqui.

 

Europa e África compõem a personalidade de Baloji, músico congolês a viver em Bruxelas. Esta bipolaridade geográfica transparece claramente no seu projecto artístico, cruzando o hip-hop fluido com uma soul inflamada ou o high life, sempre tocado pelo omnipresente voodoo subsariano. Baloji representa fielmente uma África pós-exótica, assimilando sem complexos o ‘vaivém’ intercontinental de influências e informação e mostrando-se, principalmente, muito consciente das questões colocadas pelo debate pós-colonial. É membro de uma orgulhosa linhagem de músicos africanos que se caracterizam por uma sólida consciência política, quase cínica, mas não desprovida de esperança. No entanto, numa actuação sua jamais se perde um forte sentido de festa e diversão.

 

 

PRÓXIMO EVENTO / 28 de Junho (terça-feira) 

 

22h00 Anfiteatro ao Ar Livre CINEMA Bilhete único: 3 Eur

L'Afrique Animée, de Moumouni Jupiter Sodré (Burkina Faso, 2010)

Ti-Tiímou, de Michel Zongo (Burkina Faso, 2009)

Un Transport en Commun, de Dyanna Gaye (França-Senegal, 2009)

 

Entretanto, no Jardim Gulbenkian encontra também as propostas de arte pública desenvolvidas pelos artistas Nandipha Mntambo (“Casulo – Cocoon”), Kboco (“Abrigo Sublocado”) e pelo colectivo Raqs Media (“However Incongruous”), a par das intervenções artísticas de Bárbara Assis PachecoRachel KormanIsaías Correa e Délio Jasse nos Chapéus-de-sol concebidos pela arquitecta Inês Lobo.

Para ver e disfrutar até 30 de Setembro de 2011.

 

 



publicado por Próximo Futuro às 10:30
link do post | comentar | partilhar

Sábado, 25 de Junho de 2011

 

 

É hoje, no Anfiteatro ao Ar Livre da Gulbenkian, às 22h00, que estreiam mundialmente os 3 filmes encomendados pelo programa PRÓXIMO FUTURO aos realizadores João Salaviza (Portugal), Vincent Moloi (África do Sul) e Paz Encina (Paraguai), tendo por produtor delegado os Filmes do Tejo.

 

Cerro Negro, de João Salaviza

João Salaviza tem feito um cinema actual, sem 'pressas', sem constrições de formato, com a liberdade e engenho de um autor empenhado não só em captar imagens, mas em fazer cinema com ideias, óptima direcção de actores e dramaturgias eficazes e de solução surpreendente. Do filme que fez a convite do Próximo Futuro, diz «Anajara e Allison são um casal de emigrantes brasileiros em Lisboa. Duas solidões que se protegem mutuamente, ao mesmo tempo que lutam contra uma separação forçada. Anajara regressa do trabalho ao amanhecer. Desta vez não vai poder dormir durante o dia, nem levar Luri à escola. A setenta quilómetros de distância, Allison espera para reencontrar a mulher e o filho. Hoje é dia de visita na prisão de Santarém.


Hidden Life, de Vicent Moloi

“Hidden Life” explora o mundo secreto da ambiguidade moral. O porto de mar da Cidade do Cabo é um mundo impressionantemente complexo. É uma das mais movimentadas intersecções culturais do mundo onde os fluxos de pessoas transaccionam bens e ‘humanidade’. Entre as inúmeras personagens que se podem encontrar no porto, as sugar girls (as prostitutas que trabalham na área) formam relações profundamente ambivalentes, envolvendo tantos conflitos como cooperação entre si, com os donos dos bordéis e com os marinheiros. É um mundo duro: todos tratam de si buscando a todo o custo a subsistência.


Viento Sur, de Paz Encina

Esta é uma história sobre desaparecidos e sobre os métodos utilizados para esses desaparecimentos. Justino e Domingo são dois irmãos pescadores que vivem num ambiente de repressão local. Obrigados a esconderem-se num casebre, terão de decidir se vão ou não fugir do país, se devem ou não abandonar as suas famílias, se devem separar-se, se podem ou não abrir uma janela. No meio de tantas dúvidas, aparece um realizador que tenta filmar algo que se supõe que tenha acontecido. Um modo de resgatar a memória,  um modo invulgarmente poético, alguma memória. Um filme da realizadora do filme “Hamaca Paraguaya”.

 

 

Amanhã às 19h00, também no cenário idílico do Anfiteatro ao Ar Livre, haverá um concerto certamente memorável do rapper belga de origem congolesa: BALOJI! O músico fez-se notar quando gravou "Hotel Impala", em 2008. Mas foi com "Kinshasa Succursale", lançado em 2010, que obteve ampla atenção internacional, sobretudo com o seu primeiro single: "Karibu Ya Bintou" (Bem-vindo à Vida no Limbo), para o qual contou com a preciosa colaboração do seu conterrâneo Konono N. 1. Não perca, reserve já o seu lugar através da bilheteira on-line.

 

 

HOJE, 25 de Junho (sábado)

 

22h00 Anfiteatro ao Ar Livre CINEMA Bilhete único: 3 Eur

ESTREIA MUNDIAL Encomenda PRÓXIMO FUTURO

 

Cerro Negro, de João Salaviza (Portugal, 2010, 23')

Hidden Life, de Vincent Moloi (África do Sul, 2010, 23')

Viento Sur, de Paz Encina (Paraguai, 2010, 21')

 

 

AMANHÃ, 26 de Junho (domingo)

 

19h00 Anfiteatro ao Ar Livre MÚSICA / Cada bilhete: 10 Eur

BALOJI (Congo - Bélgica)

 



publicado por Próximo Futuro às 10:30
link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 7 de Junho de 2011

 

 

Retomando os nossos lembretes sobre a programação imperdível que se avizinha, não podiamos deixar de destacar um dos concertos mais promissores do Próximo Futuro: BALOJI (Congo/Bélgica), no próximo dia 26 de Junho (domingo), às 19h, no Anfiteatro ao Ar Livre do Jardim Gulbenkian. 

 

Europa e África compõem a personalidade de Baloji, músico congolês a viver em Bruxelas. Esta bipolaridade geográfica transparece claramente no seu projecto artístico, cruzando o hip-hop fluido com uma soul inflamada ou o high life, sempre tocado pelo omnipresente voodoo subsariano. Baloji representa fielmente uma África pós-exótica, assimilando sem complexos o ‘vaivém’ intercontinental de influências e informação e mostrando-se, principalmente, muito consciente das questões colocadas pelo debate pós-colonial. É membro de uma orgulhosa linhagem de músicos africanos que se caracterizam por uma sólida consciência política, quase cínica, mas não desprovida de esperança. No entanto, numa actuação sua jamais se perde um forte sentido de festa e diversão.

 

Será um concerto único e o bilhete custa 10 Euros (pode adquiri-lo on-line aqui)!

 

Para quem quiser começar a navegar ao som de Baloji, sugerimos que comece por aqui, e depois se aventure por aqui, dando um saltinho também aqui.



publicado por Próximo Futuro às 06:30
link do post | comentar | partilhar

sobre
Próximo Futuro é um programa Gulbenkian de Cultura Contemporânea dedicado em particular, mas não exclusivamente, à investigação e criação na Europa, na América Latina e Caraíbas e em África.
Orquestra Estado do Mundo
This text will be replaced by the flash music player.
posts recentes
links
arquivos
tags
subscrever