Terça-feira, 30 de Junho de 2009
Morreu Pina Bausch, aquela que foi uma das últimas heroínas do século xx. Deixou um reportório único, invulgar que condensa a história da condição humana. Os heróis e as heroínas das suas peças eram demasiado homens, eram demasiado mulheres; nas suas contradições como nos seus modos singulares de habitarem este mundo. Quantas vezes quisemos ser como aqueles homens crianças, homens deuses, mulheres submissas, mulheres rebeldes?! Quantas vezes aquelas obras de culto foram as obras que ligaram comunidades?! E nunca nos esqueceremos: " não importa tanto o modo como as pessoas dançam, mas a razão porque o fazem".

António Pinto Ribeiro


publicado por Próximo Futuro às 18:01
link do post | comentar | partilhar

sobre
Próximo Futuro é um programa Gulbenkian de Cultura Contemporânea dedicado em particular, mas não exclusivamente, à investigação e criação na Europa, na América Latina e Caraíbas e em África.
Orquestra Estado do Mundo
This text will be replaced by the flash music player.
posts recentes
links
arquivos
tags
subscrever