Segunda-feira, 17 de Maio de 2010

 

 

Ninguém o faz como os espanhóis

 

Está um frio despropositado para acolher o grupo que acaba de aterrar. Trazem amassadas as roupas de Verão que fazem pendant com o bronzeado conquistado em uma semana ao sol caribeño. Os rostos enrodilhados por oitos horas de avião em voo charter tentam adaptar-se de imediato ao clima e ao fuso diferente em cinco horas. O frio retrai os músculos, a tensão instala-se no rosto. Espera-se a bagagem. Revêem-se em sonolência os dias passados.

 

Há colares, t-shirts, calções, camisas, chapéus de folha de palmeira, toda uma indumentária denunciadora de uma semana de sonho. Na mala viajam charutos, rum, telas, mais colares, esculturas de madeira, restos de areia, shampôs e sabonetes do hotel, e fotografias. Tudo bem acomodado num pack turístico “tudo incluído” onde nada falta.

 

Ninguém o faz como os espanhóis. Ninguém explora o potencial turístico de um lugar como os “nuestros hermanos”. Uma máquina afinadíssima de prestação de serviços que democratiza os requintes de primeira classe, sem esquecer segurança, higiene, sonhos e, naturalmente, lucro.

À saída do aeroporto de Punta Cana esperam-nos autocarros numerados que nos encaminharão para o complexo turístico. As bagagens são levadas por funcionários do complexo, gentis, identificados e confiáveis, que em momento nenhum nos fazem sentir a obrigação da “recompensa”. Chegados ao autocarro, um guia português recebe-nos, acolhe o nosso atraso com simpatia enquanto uma gentil dominicana, muito eficiente, nos coloca uma pulseira colorida no pulso e nos entrega um envelope com todas as informações: Chave do quarto, do cofre, mapa do complexo turístico, informações sobre os programas de actividades. Check-in feito com profissionalismo e simpatia. Em pleno bus. É 1h30 da madrugada no corpo, e 8h30 de uma noite quente e húmida no paraíso turístico da República Dominicana.

 

3.000 quartos, 5 piscinas, 10 restaurantes, 4 recepções, campo de ténis, campo de mini golf, anfiteatro, spa, ginásio, casino, lojas, bares e capela. Uma espécie de mini-bus com forma de carruagens percorre as duas principais avenidas do complexo das 5 à 1 da manhã levando e trazendo os turistas na sua afadigada tarefa de repousar e usufruir de tudo o que está incluído, ou do que ainda pode “anexar” ao pacote adquirido. Aulas de yoga e ginástica na piscina, jantares temáticos que obrigam a traje mais formal, feiras de artesanato, karaoke, jazz, desfile de carnaval, animações com corpo de baile que têm repertório vasto de Michael Jackson a Disco Sound, passando pelo Merengue e pela Bachata, passeios de catamarã, visitas a plantações ou à capital, passeios a cavalo ou de moto quatro, pesca no mar ou snorkeling, massagens relaxantes ou jantares românticos na praia.

 

Esta ponta da Isla Hispaniola tem areias finíssimas brancas, banhadas pelo mar do Caribe e pelo Atlântico. Tem montanhas verdes, luxuriantes, rios abundantes e cascatas, plantações de cana, de cacau, e tudo o que o clima generoso dos trópicos faz crescer.

 

Os turistas vêm do Canadá, dos EUA, de Espanha, Portugal, Itália. São recebidos pelos doces dominicanos que vão distribuindo os seus “hola!” e se esmeram em servir o turista. Não são infelizes, nem resignados. São trabalhadores, a maioria jovens, cumprem horários e tarefas, são atentos, são alegres, divertidos e falam carinhosos. Dançam, estudam, trabalham, rezam, cantam.

 

Nesta ponta da República, na Região Bavaro, não se regista desemprego, o turismo, explorado em mais de 80% por grupos espanhóis, é a principal actividade. O investimento neste sector e nesta parte do país não sofreu com a crise económica. Continuam as construções de novos complexos, com serviços cada vez mais requintados, dirigidos a um ocidente idoso, endinheirado com necessidade de sol e férias depois de anos de corridas incessantes para ganhar dinheiro. Perceber este negócio, executá-lo, ser rápido e eficaz, são os ingredientes para a receita de sucesso que este tipo de turismo constitui.

 

As construções são razoáveis, espaçosas, de custos controlados mas com o mínimo garantido de alusões à sofisticação. Prendem-se os turistas pelo estômago com bares e cozinhas abertos noite fora deixando que se empanturrem com a mediana qualidade e a exagerada quantidade. Os serviços estão integrados, o cliente tem tudo dentro do mesmo espaço para que não se “perca” a procurar. E é fácil comprar mais um programa, mais uma saída, mais uma massagem e ainda mais uma quinquilharia desnecessária, mas absolutamente essencial.

 

Ninguém o faz como os espanhóis! Uma máquina de realizar momentos de sonho, únicos e extravagantes, tornando-os tão acessíveis e rentáveis como a charcutaria gourrmet do El Corte Inglês, os fatos da Zara ou a lingerie da Women Secret.

 

 

Nota: A República Dominicana é um país das Caraíbas que ocupa os dois terços orientais da ilha Hispaniola, que compartilha com o Haiti, sua única fronteira terrestre, a oeste. Possui, ainda, duas fronteiras marítimas: Porto Rico, a leste, e a colónia britânica de Turks e Caicos, a noroeste. A capital é Santo Domingo. A região de Bavaro situa-se na ponta leste da República, sendo Punta Cana a denominação de uma área de empreendimentos turísticos, a mais desenvolvidas do país.

 

Elisa Santos



publicado por Próximo Futuro às 14:18
link do post | comentar | partilhar

3 comentários:
De renato a 18 de Maio de 2010 às 09:14
excelente postal!

nunca lá fui, mas tinha uma imagem pior dos programas de "alegria programada e de felicidade comprada a prestações".

obrigado pela partilha,

R


De tpc a 18 de Maio de 2010 às 11:45
Que dizer, nunca tinha ido a Punta Cana e, depois de lêr este postal, sensação é que acabei de vir de lá. Parabéns!


De Isaura Santos a 19 de Maio de 2010 às 12:46
Eu estive lá!!!!
E posso confirmar tudo o que foi dito!
E para alem de tudo isso, existe um mar imenso de um azul claro e limpo, um cheiro a maresia e a vida ainda selvagem, onde é muito fácil abstrairmos-nos de tudo o que se passa à nossa volta e acreditarmos que o "paraíso" pode ser já ali... Basta para isso termos a companhia certa para cada momento e apreciarmos o que nos vai sendo dado a conhecer.
Obrigada à minha irmã por ter ido comigo e obrigada à Família Cardoso por ter sido a nossa companhia e nos ter feito sentir em família também!



Comentar post

sobre
Próximo Futuro é um programa Gulbenkian de Cultura Contemporânea dedicado em particular, mas não exclusivamente, à investigação e criação na Europa, na América Latina e Caraíbas e em África.
Orquestra Estado do Mundo
This text will be replaced by the flash music player.
posts recentes
links
arquivos
tags
subscrever