Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2010


Pirataria literária no Peru, aqui

As a cultural artifact, the book has undeniable power, and the idea of a poor, developing country with a robust informal publishing industry is, on some level, romantic: the pirate as cultural entrepreneur, a Robin Hood figure, stealing from elitist multinational publishers and taking books to the people. The myth is seductive, and repeated often. In a country where a new book can cost 20% of the average workers’ weekly wage, it’s worth asking who could afford to read if it weren’t for pirates?

in Guardian


publicado por Próximo Futuro às 15:12
link do post | comentar | partilhar

1 comentário:
De Elisa a 21 de Janeiro de 2010 às 20:45
esta imaginação, este sentido de sobrevivência, de reivindicação até ao ponto de conseguir... e a subversão, a inversão das regras, a distorção da lógica... isto chama-se teimosia de existir.


Comentar post

sobre
Próximo Futuro é um programa Gulbenkian de Cultura Contemporânea dedicado em particular, mas não exclusivamente, à investigação e criação na Europa, na América Latina e Caraíbas e em África.
Orquestra Estado do Mundo
This text will be replaced by the flash music player.
posts recentes
links
arquivos
tags
subscrever