Quarta-feira, 11 de Novembro de 2009
A discussão sobre a "chinização”, ou seja sobre a presença maciça dos chineses em África, já é uma constante entre os intelectuais e os artistas africanos. A resposta a esta realidade inclui muitas vezes uma crítica subtil à postura dos europeus e ao seu cinismo. Ainda recentemente, o realizador Abderrahmane Sissako (n.1961) afirmava : “a esse propósito acho oportuno citar um provérbio mali que diz: quando te estás a afogar, agarras -te até ao primeiro crocodilo que passe”.


publicado por Próximo Futuro às 16:24
link do post | comentar | partilhar

2 comentários:
De Elisa a 11 de Novembro de 2009 às 18:24
eis pois que o dragão se presenta como um crocodilo...
nem uns nem outros são tábuas de salvação...
digo eu!


De mulato a 6 de Dezembro de 2009 às 14:00
O presidente do banco mundial disse esta semana que a China quer fazer investimentos em fabricas em Africa (calçado, roupas, etc.)
Actualmente já há uma fabrica de automóveis Chineses no Egipto...

Relembro que o Banco Mundial considera a falta de tecido industrial como o elo em falta para o desenvolvimento Africano.

Contra factos não há argumentos! A história do desenvolvimento foi igual em todo o lado... Industria de manufactura, emprego, capacidade das famílias para investir na educação dos filhos, etc, etc, etc...


Comentar post

sobre
Próximo Futuro é um programa Gulbenkian de Cultura Contemporânea dedicado em particular, mas não exclusivamente, à investigação e criação na Europa, na América Latina e Caraíbas e em África.
Orquestra Estado do Mundo
This text will be replaced by the flash music player.
posts recentes
links
arquivos
tags
subscrever