Quinta-feira, 31 de Dezembro de 2009


Morreu Dennis Brutus, poeta sul-africano. Mais aqui



1.
Golden oaks and jacarandas

flowering:

exquisite images

to wrench my heart.



2.
Each day, each hour

is not painful,

exile is not amputation,

there is no bleeding wound

no torn flesh and severed nerves;

the secret is clamping down

holding the lid of awareness tight shut—

sealing in the acrid searing stench

that scalds the eyes,

swallows up the breath

and fixes the brain in a wail—

until some thoughtless questioner

pries the sealed lid loose;


I can exclude awareness of exile

until someone calls me one.



3.
The agony returns;

after a crisis, delirium,

surcease and aftermath;

my heart knows an exhausted calm,

catharsis brings forgetfulness

but

with recovery, resilience

the agony returns.



4.
At night

to put myself to sleep

I play alphabet games

but something reminds me of you

and I cry out

and am wakened.



5.
I have been bedded

in London and Paris

Amsterdam and Rotterdam,

in Munich and Frankfort

Warsaw and Rome—

and still my heart cries out for home!



6.
Exile

is the reproach

of beauty

in a foreign landscape,

vaguely familiar

because it echoes

remembered beauty.



(1975)


E um dos maiores poetas africanos, um herói.


publicado por Próximo Futuro às 14:07
link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 29 de Dezembro de 2009

Escrever 15/20 linhas sobre Montevideu. Montevideu é rambla. Sem dúvida que este passeio marítimo de 22km é aquilo que mais me atrai nesta cidade. Correr ou caminhar ao amanhecer pela rambla de Pocitos, semelhante a uma baía de um Rio de Janeiro, ou de uma Luanda, é, seguramente, dos melhores momentos do dia, aproveitando a luz e o cheiro do Rio de La Plata. Para recuperar forças – e porque não é dia de trabalho – um bom pequeno-almoço nas Medialunas Calentitas, impossíveis de se lhes resistir. Entre Pocitos e a Ciudad Vieja, uma saltada à Feira de Tristán Narvaja, caminhar por entre o verde dos legumes e o colorido das frutas, cães, aves e peixes de aquário, tudo isto é possível de se encontrar na feira mais gostosa e sui generis de Montevideu, e livros, muitos livros, velhos, amarelecidos e edições difíceis de encontrar. Hora de almoço – sempre tardio -, uma ida ao El Abrazo, uma livraria, loja de artesanato e de roupa, e uma sala de exposições, para além do divertido e colorido restaurante. É de perder – sem perder tempo – umas boas horas neste lugar tão acolhedor, entre livros, anéis, chás e boas conversas. Final de tarde, e como “Montevideu é rambla”, desfrutar do indescritível pôr-do-sol da praia Gonzalo Ramires. E, para terminar, nada melhor que ir, com amigos, a La Pulpería, em Punta Carretas, e picar uma tira de assado, um olho de bife, acompanhados pela maravilhosamente bem temperada salada de alface, tomate e cebola. ¿Y qué le parece?

Raquel Carinhas
Leitora de português


publicado por Próximo Futuro às 00:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Domingo, 27 de Dezembro de 2009


O sonho de Niemeyer e o Universo paralelo. Novembro de 1975, num relâmpago milhares de pessoas abandonam a cidade. Termina a colónia, recomeça a contagem. Luanda, capital de Angola, na costa ocidental de África é agora um espaço vazio e aguarda, ansiosa, pelos novos inquilinos. Novos habitantes, nova liberdade. Tal como “ocupas” hoje dentro de edifícios marcados por momentos, recordações, odores de outrora, Luanda antecipa o conceito e recebe de portas abertas os novos ocupantes. A desenfreada ocupação origina mistura social. Luanda transforma-se numa cidade singular, onde o mais pobre e o multimilionário coabitam nos mesmos edifícios e partilham os mesmos degraus, como havia sonhado Óscar Niemeyer quando projectou o emblemático Copan. O paralelo entre o Copan e Luanda pós-Independência continua actual. Tal como o sonho falhado de Niemeyer, do lado oposto do Atlântico, o crescimento explosivo da população na cidade de Luanda causa vertigens. Sobrelotação das casas, tráfego estancado, cinemas transformados em igrejas e elevadores em novas residencias. Inicia-se um longo mergulho ao caos. Entre a guerra civil e a nova ordem mundial, o funge de Sábado e as multinacionais, a cidade resiste. Morre o sonho comunista e crescem as novas torres. O capitalismo é selvagem e desta vez não resta espaço para utopias, “time is money”. Abandonamos a cidade de asfalto e entramos nos intermináveis musseques (guethos). A paisagem aqui é mais cinzenta, mas de cinzenta, só a paisagem. Albergue de políticos, ex-militares, refugiados de guerra, católicos, muçulmanos, mucubais, travestis e celebridades, os musseques reinventam-se a cada instante. É indiferente se vivemos no comunismo ou capitalismo, mono ou stereo partidarismo. O poder aqui é autónomo a qualquer instituição, ou de qualquer crença religiosa. Está distribuído pelas ruas e bairros, encerrado nas suas fronteiras. A economia é caseira, baseada no retalho do retalho. A cultura é híbrida, intensa e extremamente experimental. O Hi-Tech casa-se com o animismo, os ritmos e danças tomam de assalto a cidade de asfalto. Os candogueiros (táxis informais) como se fossem o youtube, disseminam a música e a atitude oriunda dos musseques por cidades e aldeias, de todo o território nacional. O musseque por fim criou uma identidade nacional.


Qualquer tentativa de conceber teorias sobre estes fenómenos, torna-se inútil e obsoleta no momento em que é criada. Este universo é definitivamente paralelo. Impossível não participar. Não há figuras solitárias nem turistas nesta estória, ninguém passa indiferente. A vida é uma constante diligência. Cidades como estas estão por todo lado, são planetárias na sua essência, os continentes tornam-se pequenos para elas. Transbordam fronteiras continentais e também as da ficção. A sua mutação veloz e o susceptível sistema imunitário, tornam-na incapaz de qualquer tipo de prevenção ao agente desconhecido. Tudo se torna parte dela.

Kiluanji Kia Henda

Material, fotografia, díptico, impressão sobre alumínio, 100cm x 150cm (cada), 2007
Cortesia do artista


publicado por Próximo Futuro às 00:44
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sexta-feira, 25 de Dezembro de 2009


São Paulo de Piratininga. Aspirante ainda a tornar-se vila, localidade singela e encarapitada no cume de um planalto quase inacessível a quem vinha do mar. Nasceu assim, por pouco anônima, em 1554, nossa megalópole paulistana do século XXI. E já em sua concepção trazia dois traços que sempre lhe marcaram. Primeiro, o da confluência. São Paulo repousa em um encontro de tantos "peabirus" - caminhos indígenas, seguidos argutamente pelos recém-chegados a estas terras, em busca de ouro, prata, esmeraldas e, claro, dos próprios indígenas.


Confluência com sobrenome, acima de tudo o da diversidade. Diversidade de ideias, diversidade de origens, diversidade de aspirações. Contrastes, para alguns. Sonhos, para outros. Assim foi se formando o que é hoje a cidade mais brasileira que existe e mais internacional do Brasil. Aqui, no início do século passado, mais da metade da população era estrangeira. Mais da metade desta, italiana. Já ouviram um paulistano falando? Bingo, atente-se à sonoridade do sotaque, cheio de altos e baixos e recheado com vogais abertas. E aos italianos, europeus em geral, asiáticos, africanos e árabes, somou-se uma constelação de migrantes. Hoje, mais de metade da população (muuuito mais da metade) da cidade não é paulistana. Ao menos não por nascimento, mas certamente por adoção.

Mas, além de confluente, convergente, diversa e outras variações sobre o tema, São Paulo é, foi e - tudo leva a crer - será também profundamente desbravadora. Não raro, aliás, por completa e absoluta necessidade. Da vila pobre de Piratininga saíram desbravadores que em parte garantiram ao Brasil as dimensões que tem hoje (e a Portugal a posse da terra, pela cláusula de utis possidetis). Muitos saíram em busca de oportunidades, tantos chegaram munidos da mesma esperança, ao longo do fio dos séculos. Foi assim que São Paulo se tornou a maior cidade japonesa fora do Japão, libanesa fora do Líbano e daí pra frente, nesta pequena Nações Unidas de 11 milhões de habitantes (quase 20 milhões, somando a população circunvizinha). Foi desses encontros, catapultados pela pujança do café, completada com a da industrialização e finalizada com a dos serviços qualificados, que São Paulo ocupa hoje posição de prestígio na seleta lista de polos financeiros, culturais e inovadores do mundo. Construída a cada passo, reconstruída a várias mãos. E, confesso rendida, terra do meu e de outros 11 milhões de corações.

Ana Carla Fonseca
Consultora Cultural


publicado por Próximo Futuro às 07:37
link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 23 de Dezembro de 2009

Superfície: 1000 km2,

População: 881.000 habitantes no último recenseamento de 1999.

A cada regresso, conheço Nouakchott pelos olhos do meu petit frère Hamidou , o que quer ver a Europa um dia, a todo custo. É ele que me conduz sabiamente dentro desta cidade de vento e areia, miséria e Islão, verdadeiro não-lugar onde o tempo parece parar, onde todos andam, incansáveis, por ruas poeirentas que não levam a nenhum centro, a nenhum coração da cidade, simplesmente porque Nouakchott ganha existência apenas pela acumulação das suas casas, das suas barracas, das suas boutiques abertas vinte e quatro horas por dia sem que a organização do espaço siga a mínima lógica de organização à volta de um centro, de uma ideia de baixa da cidade.

Nouakchott fica à beira mar, entre o Saara e o Atlântico. Porém, se não fosse pelo cheiro a maresia que apenas às vezes chega com o vento e a areia, ninguém daria por isso. A cidade é uma espiral, umbigo estéril, fechada sobre si própria. Vila de pescadores até 1958, quando foi inventada capital de um país igualmente inventado, na altura contava pouco mais de 20.000 habitantes, hoje quase 900.000, pouco menos da metade da população total do país.

Encenação de todas as tensões da fragilíssima nação mauritana, Nouakchott existe e se revela sobretudo nos seus mercados, palco onde todos falam as línguas dos “outros outros” conforme o vendedor e a mercadoria e onde homens em roupas brancas ou azuis bordadas em ouro espreitam o corpo das mulheres pular ou soninké que se balançam calçando sapatos dois tamanhos mais pequenos em amplos boubous em wax colorido ou através das melewas das obesas mulheres mouresques, espécies de saris de gaze trabalhada em batik.

Mesmo assim não há cores em Nouakchott. As muitas almas da Mauritânia , país charneira entre duas ideias de África, aqui vivem apenas lado a lado, sem nunca se misturar. A única pertença possível continua a ser a família e a aldeia/comunidade de origem e nos bairros pobres da capital continua a reproduzir-se uma vida regida por regras ditadas por uma sabedoria rural, única ancora perante a renovada miséria, pouco disposta a negociar outras possíveis maneiras de estar.

Livia Apa
Investigadora


publicado por Próximo Futuro às 00:28
link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2009


População : 1,5 milhões de habitantes

Área: 270 Km2

Cidade africana, mediterrânica e litoral. Cidade berbere, otomana e árabe. Cidade islâmica. Cidade Kasbah. Cidade colonial. Cidade-máquina da utopia modernista europeia. Cidade metrópole. Cidade bilingue. Argel “a branca”, cidade capital.

Fim-de-tarde, crepúsculo. Bab-el-Oued, centro da cidade. Ao fundo, a baía desenha uma ampla praça sobre o mediterrâneo. Dezenas de navios de carga aguardam, dispersos e imóveis. O trânsito automóvel circula lento e compacto num caos negociado a cada movimento. A noite, tal como o dia, manter-se-á vigiada sob o olhar dos inúmeros postos de controlo policial, espalhados pela cidade. Um cântico de voz masculina ecoa nas colinas. A quarta e penúltima oração do dia será celebrada no “seu tempo exacto”. Nos grandes Boulevards, as esplanadas contemplam a gente que circula. Muita gente. Gente jovem. Sobre os passeios as árvores alinhadas foram podadas durante décadas para que as suas copas se unissem numa massa verde e contínua que atravessa a cidade. Pontualmente, as Tamareiras interrompem este movimento e desafiam a regra, trazendo a sombra do deserto. Os edifícios são obsessivamente brancos e as suas fachadas narram uma outra História - a de uma cidade colonial que se implantou em torno da Kasbah, como uma dupla muralha. Instala-se, em todos os lugares, uma ambiguidade sedutora: Argel? África? Paris? Mediterrâneo? Islão?

Rosário Salema
Arquitecta Paisagista

[Fotografia cortesia da Parque Expo]


publicado por Próximo Futuro às 00:44
link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 18 de Dezembro de 2009


Ciudad de Medellín, segunda aglomeración urbana de Colombia, posee una población de un poco más de dos millones de habitantes. Conocida actualmente por su arquitectura moderna, Medellín destaca por la eficiencia de sus servicios públicos, en donde su sistema de transporte (Metroplus) integra a los diferentes, antes irreconciliables, sectores de la ciudad.

La construcción de bibliotecas y centros educativos, la renovación de los parques públicos, la creación de espacios para la exhibición artística, las ferias editoriales, los festivales de poesía y teatro, junto a los programas socioculturales entorno a la violencia, entre otros, proliferan y convocan al ciudadano que accede a éstos sin exclusión.

La reciente apertura de la nueva sede del MAMM (Museo de Arte Moderno de Medellín) ubicado en la zona norte de la ciudad, área urbana anteriormente azotada por la violencia, es una acción que merece especial atención.

Este espacio inaugurado en de noviembre de este año, como parte de un plan de desarrollo comunitario e inmobiliario de la ciudad, se instala en un espacio cuyo apogeo en la década de los 40, se debió a la industria siderúrgica. Talleres Robledo, edificio de la sede del museo, preserva su estructura arquitectónica en su exterior, e incluye contemporaneidad en su interior, adecuada para las nuevas expresiones artísticas.

Liderado por una gestión llena de dinamismo, con énfasis en los sectores desplazados, MAMM entrega la posibilidad para observar sus propuestas, analizar sus proyectos, pero sobre todo nos provee de un espacio para participar de este proceso en que se vislumbra un próximo futuro.

Entre estelas y pulsiones.

Hay ciudades que son invisibles, cuando buscamos información sobre ellas en el campo de la geografía, las ciencias sociales u otro saber, nos encontramos con que hemos olvidado su nombre, cuando finalmente recordamos y evocamos su nombre, no encontramos las asociaciones a través de nuestros sentidos, que nos permita inscribirlo en nuestra memoria.

¿Cómo nominar entonces a aquellas ciudades/espacios, cuya visibilidad nos satura los sentidos, aquellas ciudades que tan solo por nominarlas, ingresamos en una dinámica fragmentada de asociaciones imprecisas, insistentes, aquellas ciudades cuyo cuerpo de historia se ha tornado imposible en una narración, cuyo ambiguo límite entre realidad y ficción es permanentemente interrumpido por la fatalidad, en donde ausencia y perdida son los dos elementos que la constituyen?

¿Cómo anunciar hoy, en que nuestra memoria esta plasmada de estelas de ausencias, que sí se gestan ciudades/espacios en Latinoamérica, desde, en y con estados de dolor, en donde la palabra imposibilidad se desvanece, y el deseo de conciliación y búsqueda de nuevas significaciones, son las dinámicas que permiten encontrar un nuevo modo de convivencia social?


La información recibida principalmente a través de los medios de comunicación durante las décadas de los ochenta y noventa, en relación a los acontecimientos de violencia acontecidos en Medellín, Colombia, en donde: guerrilla, narcotráfico y luchas sociales constituían un solo tejido, nos aportaron los datos suficientes para que asociemos Medellín, Colombia, con aquellos periodos de mayor oscuridad en nuestra historia latinoamericana.

Es esa misma ciudad la que hoy se encuentra en un proceso de transición, integrando nuevas dinámicas conducentes a formar conciencia del rol de co-autor de los habitantes de la zona, en un proceso de construcción de sociedad.

Los habitantes de Medellín se encuentran en una profunda redefinición personal, en un proceso iniciado hace menos de una década, en el cual, nuevas formas de vida, comprensión y búsqueda, son su nuevo tejido constitutivo.

En este proceso de redefinición identitaria, existen tanto espacios, como acciones, que actúan a modo de corpus, destacan entre ellos: la redefinición urbana y los nuevos planes de educación y cultura. Los elementos en los cuales se sustenta este proceso de transformación, deja atrás un pasado que ya inscrito en la memoria*, y no del todo ausente, es fermento para las nuevas propuestas, las cuales despojadas del campo de la lógica, conforman la pulsión creadora que surge entre los límites difusos: vida/muerte.

El desafío es representar este tiempo, el presente, desde distintos lugares, a partir de memorias diferentes (contradictorias muchas veces) y en rumbos muy diversos (divergentes incluso) e implementar ciudades / espacios para la postulación de los posibles, en donde nominar y anunciar se concilien.

Beatriz Bustos Oyanedel

*Memoria, vientre del alma, San Agustín, Obras de San Agustín, X, 8-38 Madrid: BAC 1946

Fotografia:
Talleres creativos MAMM (Museo de Arte Moderno de Medellin)
Contando historias animadas en el museo
Derechos reservados MAMM

http://www.elmamm.org/
http://www.medellin.gov.co/
http://www.alcaldia.medellin.gov.co/
http://www.medellin.edu.co/
http://www.reddebibliotecas.org.co/
http://www.culturamedellin.gov.co/


publicado por Próximo Futuro às 08:46
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 17 de Dezembro de 2009
A UN representative has said relying on foreign aid to achieve the Millennium Development Goals did a disservice to Africa, and has called on African governments to find alternative funding sources and clean up their act. Mais aqui.


publicado por Próximo Futuro às 18:20
link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 16 de Dezembro de 2009

A slow maturing of democracy

In The Economist, 10 de Dezembro 2009

More Latin Americans now trust the government than the army



Despite the recession which rippled across the region over the past year, Latin Americans are more supportive of— and satisfied with—their democracies and their governments. More of them favour the market economy, and most take a dim view of Hugo Chávez, Venezuela’s radical leftist president. Those are among the findings of the latest Latinobarómetro poll taken in 18 countries across the region and published exclusively by The Economist. Because the poll has been taken regularly since 1995, it tracks changes in attitudes across the region.This year’s poll was taken in late September and October, when many countries in the region were starting to pull out of the downturn. Latin Americans felt the recession, but in most places only moderately. Respondents describing the economic situation as “bad” or “very bad” increased from 35% last year to 40% this year, while those calling it “good” or “very good” fell to 43% from 47%. Unemployment edged ahead of crime as respondents’ main concern, as it was in all the previous polls except last year’s (though in seven countries crime remains the number one worry).
Yet this did little to diminish Latin Americans’ increasingly sunny mood. Support for democracy is at its highest level since the late 1990s, up 11 points from its trough in 2001. A clear majority across the region are now committed democrats (see table 1 and chart 2). Elections that ushered new presidents into office brought the customary boost in support for democracy in El Salvador and Panama.

In Honduras so, seemingly, did the coup in June against Manuel Zelaya, the elected president. Among respondents in that country, 58% disapproved of the coup; in the region as a whole, only 24% of respondents approved of it. (But 61% of those polled in Brazil, 58% in Mexico and 42% in the region agreed that the army should remove a president if he violates the constitution, as the coup leaders in Honduras claimed of Mr Zelaya.) Meanwhile, there were big falls in support for democracy in Colombia and Ecuador.




Even more strikingly, satisfaction with the working of democracy has increased sharply, to its highest level since the polls began (chart 3). Trust in democracy’s basic institutions is also growing steadily, albeit from low levels (chart 4). Those saying that democracy cannot exist without political parties have increased steadily, to 60% from 49% in 2001, when amid economic collapse protesting Argentinians shouted at their politicians, “Que se vayan todos” (“kick them all out”). For the first time since Latinobarómetro began polling, more respondents now approve of their governments than trust the armed forces—a milestone in a region with a long history of military interventions in politics.
All of this is in marked contrast to the last recession in the region in 2001-02, which undermined Latin Americans’ faith in democracy. One difference this time is that many do not seem to blame their governments for the downturn. Another is the sense of greater well-being generated by five years of faster economic growth until 2008 and, in many countries, more effective social policies and some income redistribution. The fact that democracy has brought political change, allowing the left to come to power in many countries for example, also has an impact.




All this seems to point to a slow maturing of democracy in Latin America. “There’s an important increase in the legitimacy of governments, which is good for democracy,” says Marta Lagos, Latinobarómetro’s director, though she cautions that it is also providing fuel for the spreading habit of presidents seeking re-election.
Greater faith in democracy has gone hand-in-hand with more support for the market economy—despite the financial crisis (chart 5). But there is disenchantment with markets in Colombia, even though the country all but escaped recession. That may be because of the collapse of several big pyramid-savings schemes, or because unemployment has risen sharply. One in three of those polled across the region now say that privatisations were beneficial for their country, up from 22% in 2003.



There are hints, too, of greater social liberalism. Those who say they would not like to have homosexuals as neighbours have fallen from 59% in 1998 to 29% this year. On the other hand, 36% say that women should stay at home, rather than go out to work, the same number as in 1997. A similar proportion say that men make better political leaders than women.
The upbeat mood is particularly striking in Brazil and Chile, where two-thirds of respondents said their country was progressing (Panamanians and Uruguayans were not far behind). Even the notoriously curmudgeonly Peruvians have warmed a bit to democracy. But Mexicans are gloomier, unsurprisingly given that the economy shrank by 10.1% in the year to June. So in some ways are Argentinians: not only do only 25% approve of their government, only 4% of those polled thought the distribution of income was fair and only 13% think any progress has been made over the past two years in reducing corruption (compared with a regional average of 39%).
The poll offers a warning to Mr Chávez. Though 45% of Venezuelan respondents still support his government, that is down from 65% in 2006. And although he has nationalised many businesses, 81% of them say that private enterprise is indispensable for economic development, a big increase on previous years. Support for the market economy among Venezuelan respondents has also surged.

The poll also suggests that Mr Chávez’s image in the region is much less favourable than that of many other leaders, and especially than that of Barack Obama (chart 6). The advent of Mr Obama has boosted his country’s standing in the region: 74% of respondents had a favourable opinion of the United States, up from 58% last year and the highest figure since the polls began. Nevertheless, more respondents now see Brazil as the most influential country in the region, ahead of the United States and Venezuela. But the influence of the United States is ranked higher than Brazil’s in the northern part of the region.
Latinobarómetro is a non-profit organisation based in Santiago, Chile, which has carried out regular surveys of opinions, attitudes and values in Latin America since 1995. Further details at www.latinobarometro.org


publicado por Próximo Futuro às 22:56
link do post | comentar | partilhar




“Rio 40 graus, cidade maravilha purgatório da beleza e do caos”, canta Fernanda Abreu, a musa carioca branca e sofisticada mas com a ginga de mulata que requer a uma perfeita carioca. Rio é uma cidade naturalmente anti-gueto, pois a favela cruza zonas ricas e chega às ruas com a mesma disposição com que galga os lindos morros da cidade. A cidade serpenteia entre o mar e a montanha, esquiva-se de estar partida socialmente, quando pobres e ricos na praia, desnudos, têm o mesmo valor. O Rio além de belezas naturais é feito de gente que cruza as geografias a eliminar as diferenças sociais que possam existir. O Rio é Ernesto Neto, o mais notório artista brasileiro no exterior, com seu atelier plantado em meio ao caos da baixa da cidade; é Adriana Varejão e Beatriz Mihazes no elegante Jardim Botânico; é Cildo Meireles no tradicional Botafogo, bairro preferido dos lusitanos; é Tunga e Adriana Calcanhotto em meio à “selva” da Floresta da Tijuca; é Paulinho da viola, o elegante príncipe do samba, na deselegante Barra da Tijuca. Eis o espírito do Rio: a implosão dos clichés.


O Rio é erudita e popular em sua natureza cosmopolita e cool. Do Leblon a Lapa, da Tijuca ao Centro, tudo é possível. Ruas apinhadas de gente, sons atravessam o eixo da cidade zona norte – zona sul interligada pelo Centro, umbigo do mundo. Lá a Biblioteca Nacional, o Teatro Municipal, o Museu Nacional de Belas Artes, o CCBB, o Centro de Artes Helio Oiticica, ao lado do maravilhoso Gabinete Real Português, são orgulhos da cidade. Os bailes “charm” do Clube Bola Preta disputam frequentadores da Cinelândia que vão aos concertos no Theatro Muncipal. Rio é a cidade onde Vila-Lobos, patrono da música moderna brasileira, misturou Bach e o choro. Nada mais carioca que a implosão da alta e da baixa cultura. Rio é a glória do “chope” e do bolinho de bacalhau – uma das melhores heranças portuguesas que os brasileiros melhoraram, pois come-se um pastel no Bracarense e não se sente nenhuma saudade dos daqui. O bate papo de fim do dia nos botequins, a algazarra dos transportes públicos que transforma o centro do Rio num misto de Nápoles e uma cidade africana, voluntária desordem e alegria dos ambulantes.

Os cariocas são orgulhosos do seu sotaque (usam o xis para todos os esses das palavras, muito próximo ao lisboeta), da sua aparência descontraída, de ser nada pontual e nem se dar por isso. Quem melhor expressou o way of life do carioca foi a gaúcha Calcanhotto, uma “carioca da gema” como todos que vem de fora: “Cariocas são bonitos / Cariocas são bacanas / Cariocas são sacanas / Cariocas são dourados / Cariocas são modernos / Cariocas são espertos / Cariocas são diretos / Cariocas não gostam de dias nublados / Cariocas nascem bambas / Cariocas nascem craques / Cariocas têm sotaque / Cariocas são alegres / Cariocas são atentos / Cariocas são tão sexys / Cariocas são tão claros”. O que se mais pode dizer? Nada, seja carioca, é um estado de espírito e não de geografia!

Paulo Reis

PS: este texto foi-me pedido pelo mais carioca dos portugueses, António Pinto Ribeiro, e é justamente a ele dedicado juntamente com a “brasileira” São Caleiro, dois intelectuais que admiro.

Paulo Reis nasceu na Baía, transferiu-se para o Rio de Janeiro aos 8 anos de idade. É “carioca da gema” e vive em Lisboa, a carioca cidade portuguesa, por adopção afectiva.






publicado por Próximo Futuro às 08:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

sobre
Próximo Futuro é um programa Gulbenkian de Cultura Contemporânea dedicado em particular, mas não exclusivamente, à investigação e criação na Europa, na América Latina e Caraíbas e em África.
Orquestra Estado do Mundo
This text will be replaced by the flash music player.
posts recentes
links
arquivos
tags
subscrever