Terça-feira, 30 de Junho de 2009
Morreu Pina Bausch, aquela que foi uma das últimas heroínas do século xx. Deixou um reportório único, invulgar que condensa a história da condição humana. Os heróis e as heroínas das suas peças eram demasiado homens, eram demasiado mulheres; nas suas contradições como nos seus modos singulares de habitarem este mundo. Quantas vezes quisemos ser como aqueles homens crianças, homens deuses, mulheres submissas, mulheres rebeldes?! Quantas vezes aquelas obras de culto foram as obras que ligaram comunidades?! E nunca nos esqueceremos: " não importa tanto o modo como as pessoas dançam, mas a razão porque o fazem".

António Pinto Ribeiro


publicado por Próximo Futuro às 18:01
link do post | comentar | partilhar

Em 2002, um grupo de amigos se reuniu para realizar um antigo desejo: formar uma típica orquestra de gafieira. A idéia era interpretar um repertório variado, boleros e temas dos anos 60, os clássicos da cultura de salão, com novos arranjos. A diferença era que estes amigos formavam a vanguarda da cena musical carioca. Quando a Orquestra Imperial estreou, reuniu em um só palco representantes das mais diversas vertentes da nova música brasileira.



Tornou-se uma das maiores sensações da cena cultural carioca, atraindo e animando grande público durante seus concorridos baile-shows. Já que a idéia era reunir os amigos, convidados ilustres foram aparecendo naturalmente: Caetano Veloso, Jorge Mautner, Marisa Monte, Erasmo Carlos... O palco, sempre aberto a participações especiais, fez da “big band” uma sala de estar dos mais diversos estilos musicais. Seu Jorge, único ex-integrante do grupo, Elza Soares, Fernanda Abreu, Ed Motta, Andreas Kisser (Sepultura), Jards Macalé, Miúcha, Luiz Melodia, Bebel Gilberto, Ney Matogrosso, Marcelo Camelo, Arnaldo Antunes, Sandra de Sá, Lobão, Chrissie Hynde (do Pretenders) são alguns dos artistas que já participaram dos shows. Isso sem contar o pessoal do samba, Beth Carvalho, Dudu Nobre, Zeca Pagodinho, Délcio Carvalho e muitos mais. Aliás, depois de muitas canjas, o grande sambista da Império Serrano,Wilson das Neves, juntou-se ao grupo.









publicado por Próximo Futuro às 17:07
link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 29 de Junho de 2009






(Fotos de Catarina Botelho)


publicado por Próximo Futuro às 15:35
link do post | comentar | partilhar





(Fotos de Catarina Botelho)


publicado por Próximo Futuro às 15:27
link do post | comentar | partilhar

Domingo, 28 de Junho de 2009
Devido à chuva, o concerto de hoje com Dema y su Orquesta Petitera foi transferido para a Sala Polivalente do CAMJAP.


publicado por Próximo Futuro às 13:59
link do post | comentar | partilhar

Sábado, 27 de Junho de 2009





















Dada a possibilidade de chuva hoje à noite, o concerto de A. J. Holmes foi transferido do Anfiteatro ao Ar Livre para a Sala Polivalente do CAMJAP.


publicado por Próximo Futuro às 14:44
link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 26 de Junho de 2009


publicado por Próximo Futuro às 17:15
link do post | comentar | partilhar

Amanhã, no anfiteatro ao Ar Livre. 21h30













New Electric Hi-Life é a mistura única que Holmes faz da música highlife, da África Ocidental, com a pop electrónica britânica. A Highlife é um género musical com origem na Serra Leoa, Gana e Nigéria, a partir dos anos 1920. É um híbrido entre estilos musicais africanos e europeus. «Efectivamente edificante» foi o que o semanário alemão Die Zeit chamou ao seu álbum de estreia, Between Arrival and Departure (editora: Pingipung), e classificou-o como ‘álbum do ano 2005’. Desde então, Holmes tem refinado a sua técnica e, através do uso da tecnologia digital, conseguiu atingir algo total e deliciosamente único: a New Electric Hi-Life.


publicado por Próximo Futuro às 16:22
link do post | comentar | partilhar

Cala a boca! Ele está fazendo levantar o sol!

.................

Ele fez o sol levantar...


publicado por Próximo Futuro às 11:12
link do post | comentar | partilhar

«Fomos de táxi para o cinema. O filme, uma espécie de pioneiro, devido ao seu elenco composto sobretudo por negros brasileiros, fora rodado nos anos 50. A história era simples: o mito dos amantes infelizes, Orfeu e Eurídice, transposto para as favelas do Rio, durante o Carnaval. No esplendor do Technicolor, tendo como pano de fundo um cenário de colinas verdes, uns brasileiros negros e cor de café com leite cantavam e dançavam e tangiam as suas guitarras como pássaros felizes de plumagem colorida. A meio do filme, achei que já vira o suficiente e virei-me para a minha mãe para ver se estaria disposta a sair. Mas o seu rosto, iluminado pelo reflexo azulado do ecrã, tinha um olhar nostálgico. Nesse momento, senti como se me tivessem proporcionado uma janela para o seu coração, o coração impulsivo da sua juventude.»



Barack Obama no livro A Minha Herança, Casa das Letras, 2008







[Error: Irreparable invalid markup ('<a [...] 445">') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

«Fomos de táxi para o cinema. O filme, uma espécie de pioneiro, devido ao seu elenco composto sobretudo por negros brasileiros, fora rodado nos anos 50. A história era simples: o mito dos amantes infelizes, Orfeu e Eurídice, transposto para as favelas do Rio, durante o Carnaval. No esplendor do Technicolor, tendo como pano de fundo um cenário de colinas verdes, uns brasileiros negros e cor de café com leite cantavam e dançavam e tangiam as suas guitarras como pássaros felizes de plumagem colorida. A meio do filme, achei que já vira o suficiente e virei-me para a minha mãe para ver se estaria disposta a sair. Mas o seu rosto, iluminado pelo reflexo azulado do ecrã, tinha um olhar nostálgico. Nesse momento, senti como se me tivessem proporcionado uma janela para o seu coração, o coração impulsivo da sua juventude.»
<br />
<br />Barack Obama no livro A Minha Herança, Casa das Letras, 2008
<br />
<br />
<br />
<br /><a href="<object width="445" height="364"><param name="movie" value="http://www.youtube.com/v/v0jZRkFtksI&hl=pt-br&fs=1&border=1"></param><param name="allowFullScreen" value="true"></param><param name="allowscriptaccess" value="always"></param><embed src="http://www.youtube.com/v/v0jZRkFtksI&hl=pt-br&fs=1&border=1" type="application/x-shockwave-flash" allowscriptaccess="always" allowfullscreen="true" width="445" height="364"></embed></object>"></a>


publicado por Próximo Futuro às 10:56
link do post | comentar | partilhar

sobre
Próximo Futuro é um programa Gulbenkian de Cultura Contemporânea dedicado em particular, mas não exclusivamente, à investigação e criação na Europa, na América Latina e Caraíbas e em África.
Orquestra Estado do Mundo
This text will be replaced by the flash music player.
posts recentes
links
arquivos
tags
subscrever